Obras clássicas e contemporâneas na escola: como acessá-las, por que lê-las?

Volmir Cardoso Pereira

Resumo


Este artigo propõe uma discussão sobre as práticas de leitura literária no ambiente escolar a partir de dois momentos: primeiramente, destacam-se as possibilidades de acesso à literatura a partir da leitura em novos meios e suportes, assim como as experiências literárias na contemporaneidade que apontam para a ascensão do escritor multimídia e também para um novo perfil de leitor. Em um segundo momento, procura-se pensar a atualização dos procedimentos de leitura dos clássicos literários na escola, compreendendo-a como direito do aluno a ter acesso aos bens estéticos e culturais que possam cumprir papel importante em uma formação humanística, referendada por uma proposta de cunho histórico-crítico. Em paralelo, desenvolve-se uma reflexão sobre os problemas e dificuldades na implementação de políticas públicas capazes de modificar o baixo índice de leitura literária na educação básica. Assim, pretende-se contribuir para pensar a atualidade dos clássicos no âmbito escolar e a incorporação de novas práticas de leitura que possam melhorar o contato dos alunos com o cânone literário e com os autores contemporâneos.

Palavras-chave


Literatura contemporânea; Clássicos literários; Pedagogia Histórico-Crítica

Texto completo:

PDF

Referências


BARBERO, Jesús Martin. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Tradução de Ronaldo Polito e Sérgio Alcides. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2008.

BRASIL; Ministério da Educação. Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE): leitura e bibliotecas nas escolas públicas brasileiras / Secretaria de Educação Básica, Coordenação-Geral de Materiais Didáticos; elaboração Andréa Berenblum e Jane Paiva. Brasília: Ministério da Educação, 2008.

CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos. Tradução de Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

CANDIDO, Antônio. Vários escritos. São Paulo: Ouro sobre Azul, 2004.

CHARTIER, Roger. Os desafios da escrita. Tradução de Fulvia M. L. Moretto. São Paulo: UNESP, 2002.

EAGLETON, Terry. As ilusões do pós-modernismo. Tradução de Elisabeth Barbosa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

FIGUEIREDO, Vera Lúcia Follain de. Narrativas migrantes: Literatura, Roteiro e Cinema. Rio de Janeiro: Editora PUC Rio/7Letras, 2011.

GARCIA CANCLINI, Néstor. Leitores, espectadores e internautas. Tradução de Ana Goldberger. São Paulo: Iluminuras, 2008.

JAMESON, Fredric. A cultura do dinheiro: ensaios sobre a globalização. Tradução de Maria Elisa Cevasco e Marcos César de Paula Soares. Petrópolis: Vozes, 2001.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. Tradução de Suzana Alexandria. 2ª ed. São Paulo: Aleph, 2009.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 1993.

LUKÁCS, Gyorgy. Introdução a uma estética marxista: sobre a categoria da particularidade. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

PAIVA, Jane, e Andréa Berenblum. “Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) - uma avaliação diagnóstica”. Pro-Posições (Campinas), v. 20, n. 1 (58), p. 173-188, 2009.

PELLEGRINI, Tânia. “A literatura e o leitor em tempos de mídia e mercado”. Horizontes (Itatiba), v.15, p. 325-335, 1997.

SARLO, Beatriz. Tempo Presente: notas sobre a mudança de uma cultura. Tradução de Luís Carlos Cabral. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2005.

TODOROV, Tzvetan. Literatura em perigo. Tradução de Caio Meira. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2016v31p31

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Fale conosco