Memórias montadas

Julliany Alves Mucury, Sylvia Helena Cyntrão

Resumo


A memória é uma montagem, articulada pela edição das lembranças de cada um atreladas ao testemunho de diferentes atores, a partir de diferentes linguagens. Todas essas narrativas juntas não formam um passado inteligível, só a escolha entre o que se deve lembrar e esquecer é que torna viável atar os fios do passado. Neste artigo, a obra de Isabel Allende, Retrato em Sépia, é analisada à luz da teoria de Paul Ricoeur no percurso de resgate da identidade da personagem principal.

Palavras-chave


Memória; Identidade; Retrato em Sépia

Texto completo:

PDF

Referências


ALLENDE, Isabel. Retrato em Sépia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

ALMARZA, Sara. “A persistência da memória”. Sylvia H. Cyntrão, org. Poesia: o lugar do contemporâneo. Brasília: TEL/UnB, 2009. p. 173-179.

ALMINO, João. Cidade Livre. Rio de Janeiro: Record, 2010.

BERGER, Peter L. & T. Luckman. “A sociedade como realidade objetiva”. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 69-172.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo (Parte I). Petrópolis: Vozes, 1988.

JUNG, Carl G. Memórias, Sonhos, Reflexões. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2016v32p56

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Fale conosco