Sintomas do contemporâneo pela mediação "etnográfica" do jornalismo literário: anotações sobre os textos de não-ficção de David Foster Wallace

Lilian Reichert Coelho

Resumo


Neste artigo, são analisadas três reportagens-ensaio-crônicas de viagem do escritor estadunidense David Foster Wallace, datadas de 1990 até princípios do século XXI. Nossa tese configura-se pela ideia segundo a qual tais textos são fruto do cruzamento entre o Jornalismo Literário e a antropologia do contemporâneo. Assim, a leitura apresentada sobre o corpus dirigiu-se, primordialmente, pelo conceito de não-lugar tal como desenvolvido por Augé (1994). Como resultado, em linhas gerais, tem-se que o escritor, ao atuar como jornalista e etnógrafo, captou sintomas significativos do mundo contemporâneo, tendo-os interpretado na fronteira dinâmica entre jornalismo, literatura e etnografia.

Palavras-chave


Jornalismo literário; Narrativas de não-ficção; Contemporaneidade; etnografia

Texto completo:

PDF

Referências


AUGÉ, Marc. Não-lugares – Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BULHÕES, Marcelo. Jornalismo e Literatura em convergência. São Paulo: Ática, 2007.

COELHO, Lilian Reichert. Tensões entre fragmentos de evidência, suspensão do urgente e realização estética no Jornalismo Literário. Aroldo José Abreu Pinto, Benjamin Abdala Júnior e SILVA, Agnaldo Rodrigues da Silva, orgs. Esse entre-lugar da literatura: concepção estética e fronteiras. São Paulo: Arte e Ciência, 2013. 241-270.

CONNERY, Thomas B. A third way to tell the story: American Literary Journalism at the turn of the century. Norman Sims. Literary Journalism in the twentieth century. Evanston: Northwestern U P, 2008. 3-20.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

KRAMER, Mark e Norman Sims, eds. Literary Journalism – a new collection of the best American Nonfiction. New York: Ballantine, 1995.

LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero – a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ROILAND, Joshua. Getting away from it all: The Literary Journalism of David Foster Wallace and Nietzsche’s concept of Oblivion. Literary Journalism Studies1.2, Fall 2009. Disponível em: http://www.ialjs.org/wp-content/uploads/2009/05/ljsvol_1no_23/ljs_ nov20_final.pdf#page=89. Acesso em 28 de setembro de 2014.

SODRÉ, Muniz. A narração do fato – notas para uma teoria do acontecimento. Petrópolis: Vozes, 2009.

TODOROV, Tzvetan. Linguagem e Literatura. Poética da Prosa. São Paulo: Martins Fontes, 2003. 31-44.

WALLACE, David Foster. A supposedly fun thing I’ll never do again – essays and arguments. New York: Back Bay, 1998.

WALLACE, David Foster. Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo. Trad. Daniel Galera e Daniel Pellizzari. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e Materialismo. São Paulo: Editora da UNESP, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2014v28p42

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 10

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco