Escravidão sem escravidão

Raquel Lais Vitoriano de Lima Pires

Resumo


Pretende-se neste trabalho analisar algumas crônicas de Machado de Assis em que é evidenciada a condição do negro após a libertação ocorrida em 13 de maio de 1888. Nessas crônicas, toda a genialidade machadiana se encontra presente, pois mostram histórias diferentes de negros que ganharam a liberdade, mas não conseguiram usufruí-la, seja por desconhecimento de seu direito seja por vontade “própria”, já que muito não sabiam o que fazer com essa liberdade. Ao negro, foi dada a liberdade, porém, “esqueceram” de dar também a dignidade.

Palavras-chave


Libertação; Escravidão; Machado de Assis; Crônicas

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS. Joaquim Maria Machado. 2008. Machado de Assis afro-descendente: escritos de caramujo (antologia). 2ª edição. Org. Eduardo de Assis Duarte. Belo Horizonte: Pallas e Crisálida.

CANDIDO, Antonio. 1992. “A vida ao rés do chão”. Antonio Candido et al. A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Rio de Janeiro: Editora da Unicamp.

MEDEIROS, Vanise Gomes de. 2005. “Discurso cronístico: uma “falha no ritual” jornalístico”. Linguagem e Discurso. 5.1. Disponível em http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/0501/05.htm. Acesso em 27/07/2008.

MOISES, Massaud. 1985. A criação literária. 10ª ed. São Paulo: Cultrix.

GOMES, Heloisa Toller. 1994. As marcas da escravidão: o negro e o discurso oitocentista no Brasil e nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/EDUERJ.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2009v17p135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco