Literatura afro-brasileira, história e memória: algumas considerações sobre A noite dos cristais

Fabiana Francisco Tibério

Resumo


A relativização da história e a necessidade de visitá-la criticamente levaram à elaboração de romances nos quais a fronteira entre a narrativa ficcional e a histórica se mesclam, resultando em textos nos quais não há uma verdade única, mas sim verdades “no plural”. É o caso de A noite dos cristais, romance de Luis Carlos de Santana, cujo pseudônimo, Luis Fulano de Tal, deixa antever o teor crítico de sua escrita. Dialogando com o presente, o autor busca no passado, mais precisamente na Revolta dos Malês, revolta de escravos ocorrida na Bahia em 1835, o mote de uma narrativa que mostra a trajetória de homens negros lutando por voz e lugar.
The reduced importance of History and the need of visiting it critically have produced novels in which the line between fictional and historical narrative are mixed, resulting in texts in which there is no single truth, but truths “in plural”. It is the case of A noite dos cristais, a novel by Luis Carlos Santana, whose pseudonym, Luis Fulano de Tal, indicates the critical content of his writing. By engaging in this with the present, the author seeks in the past, specifically in the Malês Revolt (a slave revolt that took place in Bahia in 1835) the theme of a narrative that shows the trajectory of black men fighting for voice and place.

Palavras-chave


literatura afro-brasileira; história; memória; Revolta dos Malês; African-Brazilian literature; History; memory; The “Malês” Revolt

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2009v17p60

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Fale conosco