O romance-reportagem: implicações estéticas e ideológicas

Ana Paula F. Nobile Brandileone

Resumo


O pacto firmado entre o jornalismo e a literatura na década de 70, mais especificamente da literatura que está de olho no jornalismo, foi a base do romance-reportagem, que atuou com relevância no período da ditadura militar. Nesse contexto de repressão e violência foi então que o romancereportagem fixou as suas bases e se fortaleceu, pois silenciados pela censura e pela versão oficial dos fatos os jornalistas tiveram que buscar outras formas para comunicar a realidade brasileira. São algumas reflexões sobre esse gênero que este artigo se propõe a discutir.

Palavras-chave


Romance-reportagem; Jornalismo versus literatura; Ditadura militar

Texto completo:

PDF

Referências


ARRIGUCCI JR., Davi. 1999. “Jornal, realismo, alegoria: o romance brasileiro recente.”Outros achados e perdidos. São Paulo: Companhia das Letras. 77-109.

CANDIDO, Antonio. 1975 Formação da Literatura Brasileira. 2 vols. São Paulo: Edusp.

CHAMAN, Terezinha de Jesus Bellote. 2005. Relação de Interface: jornalismo especializado em literatura no jornalismo literário. Diss. do PPG em Comunicação, UnespBauru.

COSSON, Rildo. Romance-reportagem: o gênero. São Paulo: Ática, 2001.

COSSON, Rildo. 2005. “Romance-reportagem: o império contaminado.” Gustavo de Castro & Alex Galeno, orgs. Jornalismo e Literatura: a sedução da palavra. 2ª. ed. São Paulo: Escrituras. 57-70

FERREIRA JR., Carlos Antônio Rogé. 2003. Literatura e Jornalismo, Práticas Políticas: discursos e contradiscursos, o Novo Jornalismo, o Romance- Reportagem e os LivrosReportagem. São Paulo: Edusp.

HAUSER, Arnold. 2000. História social da arte e da literatura. São Paulo: Martins Fontes.

HOLANDA, Heloísa Buarque de. 2004. “O espanto com a biotônica vitalidade dos anos 70.” Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde (1960/1970). Rio de Janeiro: Aeroplano . 99-132.

HOLANDA, Heloísa Buarque de. & Marcos Augusto Gonçalves. 2005. A ficção da realidade brasileira. Adauto Novaes, org. Anos 70: ainda sob a tempestade. Rio de Janeiro: Aeroplano . 97-159.

LIMA, Edvaldo Pereira. 2004. Páginas ampliadas: o livro-reportagem como extensão do Jornalismo e da Literatura. Baruei: Manole.

LOUZEIRO, José. 1980. “Mataram a moça e caçaram o livro.” Folhetim da Folha de S. Paulo, 13 jan. Disponível em http://almanaque.folha.uol.com.br/leituras_28mar01.shtml. Acesso em 20 de mar. de 2010.

SÜSSEKIND, Flora. 1984. Tal Brasil qual romance? Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

SÜSSEKIND, Flora. 1993. “Rodapés, tratados e ensaios: a formação da crítica brasileira moderna.”Papéis colados. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. 13-33




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2010v19p17

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 10

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco