Autor e leitor órfãos: a trajetória de Álvaro Lins e as consequências do fim da crítica de rodapé no Brasil

Giovana Chiquim

Resumo


Álvaro Lins foi um dos maiores críticos de rodapé do Brasil. Expoente da crítica literária nos anos 1940, sua atividade na imprensa foi interrompida por ser acusado de “impressionista”. Todavia, a ausência de Lins abriu uma lacuna no jornalismo (no que diz respeito à crítica literária), que passou a publicar resenhas de livros. A decadência dos críticos de rodapé iniciou com o aparecimento da “nova crítica”, em meados da metade do século XX, e se intensificou com as transformações sofridas pela imprensa no mesmo período. Com o novo formato de texto jornalístico, os leitores perderam os “guias” que formavam o gosto do leitor.

Palavras-chave


Álvaro Lins; Crítica literária; Crítica de rodapé

Texto completo:

PDF

Referências


ARRIGUCCI JR., Davi. Enigma e Comentário. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

BARCELLOS, Paula. “A crítica como ofício”. JB Online, publicada em 27/08/05. Disponível em http://jbonline.terra.com.br/jb/papel/cadernos/ideias/2005/08/26/joride20050826005.html.

BARTHES, Roland. Crítica e Verdade. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2003.

BRASIL, Antônio. O pensamento crítico de Álvaro Lins. Rio de Janeiro: José Olympio, 1985.

BOLLE, Adélia Bezerra de Menezes. A obra crítica de Álvaro Lins e sua função histórica. Petrópolis: Vozes, 1979.

BRITO, José de Domingos de Brito, org. Literatura e Jornalismo. São Paulo: Novera Editora, 2008.

CANDIDO, Antonio. Iniciação à literatura brasileira. São Paulo: Humanitas, 1999.

CAVALCANTI, Valdemar. In LINS, Álvaro. 1963.

CONTIJO, Jacqueline Cristiane. Álvaro Lins: Um leitor de Graciliano Ramos. 2007. Monografia de conclusão do curso de especialização em literatura brasileira. Universidade Estadual de Londrina. Orientadora: Dra. Regina Célia dos Santos Alves.

COUTINHO, Afrânio. Notas de Teoria Literária. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

COUTINHO, Afrânio. Crítica e Críticos. Rio de Janeiro: Organizações Simões, 1960.

COUTINHO, Afrânio. Impertinências. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

LINS, Álvaro. Jornal de Crítica. Rio de Janeiro, José Olympio, 1944. 3. série.

LINS, Álvaro. Jornal de Crítica. Rio de Janeiro, José Olympio, 1947. 5. série.

LINS, Álvaro. Jornal de Crítica. Rio de Janeiro, José Olympio, 1963. 7. série.

LINS, Álvaro. O Relógio e o Quadrante. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

LINS, Álvaro. Uma grande estética. In: Eduardo Coutinho (org). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

LUCAS, Fábio. Prefácio. José de Domingos de Brito, org. Literatura e Jornalismo. São Paulo: Novera Editora, 2008.

PELLEGRINI, Tânia. A imagem e a letra: aspectos da ficção brasileira contemporânea. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: FAPESP, 1999.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas Literaturas. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

PIMPÃO, Álvaro. In: Jornal de Crítica. Rio de Janeiro, José Olympio, 1963. 7. série.

PROUST, Marcel. Contre Sainte-Beuve. Ed. établie par Bernard de Fallois. Paris: Gallimard, 1954.

SOUZA, Roberto Acízelo. Teoria da Literatura. 10 ed. São Paulo: Ática, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2009v16p45

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco