Isaías Caminha: um narrador nos bastidores da notícia

Marcos Vinícius Scheffel

Resumo


Primeiro livro de Lima Barreto, Recordações do Escrivão Isaías Caminha sempre foi visto como um livro em que as questões subjetivas do autor atrapalharam a narração. O presente artigo pretende mostrar que, pelo contrário, a escolha do pobre mulato Isaías Caminha exerce uma função essencial para desvelar as estruturas de poder daqueles primeiros anos da república brasileira. Desta forma, Isaías Caminha tem aprendizados significativos na redação do jornal que o levam a fazer uma escolha de linguagem para suas recordações que se opunha àquela praticada pelos escritores ligados ao campo dominante.

Palavras-chave


Lima Barreto; Literatura brasileira; linguagem e poder

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, Lima. Vida urbana. São Paulo: Brasiliense, 1956.

BARRETO, Lima. Recordações do escrivão Isaías Caminha. 5ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1971.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas I – magia e técnica, arte e política. 7ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOSI, Alfredo. “O romance social: Lima Barreto”. História concisa da literatura brasileira. 36ª ed. São Paulo: Cultrix, 1999.

FANTINATI, Carlos Erivany. O profeta e o escrivão: estudo sobre Lima Barreto. São Paulo: Ilhpha-Hucitec, 1978.

SANTIAGO, Silviano. “Uma ferroada no peito do pé (dupla leitura de Triste Fim de Policarpo Quaresma)”. Vale quanto pesa – ensaios sobre questões político-culturais. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2009v15p86

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 10

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco