Movimentos de um drama estático: memória e subjetividade na constituição de um "dramático (sem sujeito)"

Lígia Maria Winter

Resumo


O trabalho propõe uma análise do drama da memória e da subjetividade na constituição de um “dramático (sem sujeito)” num dos primeiros textos do gênero drama de Fernando Pessoa: Drama estático em um quadro: o marinheiro. O conceito de dramático é compreendido em sua força de deslocamento da própria subjetividade, que deveria ser pressuposta para a narração de si. Negando também a cronologia e a ação física do gênero para mover-se entre sonho e vigília, o Drama estático aciona um movimento imagético em um quadro, fazendo com que a vivência da imagem coloque em xeque as noções de passado factual, identidade imutável e memória voluntária. This paper analyses memory and subjectivity’s drama in the constitution of a “dramatic (without subject)”, between dream and reality, in one of the first drama texts by Fernando Pessoa: Drama estático em um quadro: o marinheiro. This concept of drama is able to set aside subjectivity itself, which is presupposed to have central importance to the self narration. Denying chronology and physical action, the Static drama activates imagery, such as in a painting. Living the images of a dream threatens the idea of a factual past, of an unchangeable identity and of a voluntary memory. 

Palavras-chave


memória; subjetividade; sonho; entrelugar; memory; subjectivity; dream; place-between

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2008v14p66

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Fale conosco