Helena e Iaiá Garcia: representações de práticas de leitura e configuraçãoes do leitorado oitocentista brasileiro no romance machadiano

Patrícia Kátia da Costa Pina, Vânia Lúcia Menezes Torga

Resumo


Este artigo estuda as representações de atos de leitura presentes nos romances Helena e Iaiá Garcia, de Machado de Assis, interpretando-as como instrumentos capazes de configurar o leitorado brasileiro oitocentista. Para tanto, são analisadas comparativamente as cenas de leitura protagonizadas por D. Úrsula, Helena, Estela e Iaiá. São observados modos de ler “femininos”, que viabilizam a reflexão sobre o lugar da mulher nesse Brasil ainda patriarcal e já caminhando para o capitalismo. A argumentação se sustenta, fundamentando-se nas idéias de Wolfgang Iser, Marisa Lajolo, Regina Zilberman, entre outros.

Palavras-chave


Atos de leitura; Representação literária; Romance; leitor

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Helena. Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre: W. M. Jackson Inc Editores, 1959.

ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Iaiá Garcia. Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre: W. M. Jackson Inc Editores, 1959.

ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre: W. M. Jackson Inc Editores, 1957.

ARISTÓTELES. Poética.São Paulo: Abril, 1996.

ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. Tradução de Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

GUIMARÃES, Hélio de Seixas. Os leitores de Machado de Assis: o romance machadiano e o público de literatura no século 19. São Paulo: Nankin Editorial, EdUSP, 2004.

ISER, Wolfgang. “A Interação do Texto com o Leitor”. In. : LIMA, Luiz Costa (org.). A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. p. 83-132.

LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, 1996.

LAJOLO, Marisa. Como e por que ler o romance brasileiro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

OLSON, David R. O mundo no papel: as implicações conceituais e cognitivas da leitura e da escrita. Tradução de Sérgio Bath. São Paulo: Ática, 1997.

PINA, Patrícia K. C. Literatura e jornalismo no oitocentos brasileiro. Ilhéus: EDITUS, 2002.

PINA, Patrícia K. C. “A crônica na imprensa periódica oitocentista: Machado de Assis e a formação do público leitor”. Revista Brasileira de Literatura Comparada. Rio de Janeiro: ABRALIC, nº 9, p. 65-78, agosto de 2006.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. 2ed. São Paulo: Duas Cidades, 1981.

WALTY, Ivete Lara Camargos; FONSECA, Maria Nazareth Soares; CURY, Maria Zilda Ferreira. Palavra e imagem: leituras cruzadas. 2ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

ZILBERMAN, Regina. Estética da recepção e história da literatura. São Paulo: Ática, 1989.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz: a “literatura” medieval. Tradução de Amalio Pinheiro e Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2008v13p15

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco