O Pós-modernismo e a Revisão da História

Rafaella Berto Pucca

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo fazer uma breve exposição teórica sobre o fenômeno amplamente conhecido como pós-modernismo, no sentido de mostrar como tal vertente tem discutido a revisão da história, ampliando os espaços de debates nas academias com inserções de vozes anteriormente caladas no discurso oficial (como as das minorias étnicas e sexuais). Para tanto, selecionamos alguns pensadores, tais como Linda Hutcheon, Frederic Jameson, Nestor Garcia-Canclini e Irlemar Chiampi, propondo uma exposição que aborda tanto a discussão primeiro-mundista a respeito das produções culturais da atualidade, assim como também apresentaremos a reflexão de alguns autores latino-americanos que analisam o fenômeno dentro de nossa realidade periférica.

Palavras-chave


História; Literatura; Pós-modernismo; Entrecruzamentos

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, C. F. 1982. Morangos Mofados. São Paulo: Brasiliense.

ABREU, C. F. 1990. Onde andará Dulce Veiga?. São Paulo: Companhia das letras.

ANKERSMIT, F. R. 2006. Historicismo, pós-modernismo e historiografi a. In: MARBELA, J. A História escrita: teoria e história da historiografi a. São Paulo: Contexto, p. 95 – 114.

BAUDRILLARD, J. 1991. Simulacros e simulações. Tradução de Maria João da Costa Pereira. Lisboa: Relógio d’Água.

BENJAMIN, W. 1987. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura, história e cultura. 3 ed. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense.

BURKE, P (Org). 1992. A escrita da História: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Editora Unesp.

CHIAMPI, I. 1996. O romance latino-americano do pós-boom se apropria dos gêneros da cultura de massas. In: Revista Brasileira de Literatura Comparada. vol. 3. nº 3, 75-85.

COUTINHO, E. F. 2003. Literatura comparada na América Latina: ensaios. Rio de Janeiro: EdUERJ.

DENSER, M. 1981. O animal dos motéis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

DRUMMOND, R. 1983. A morte de D. J. em Paris. 5 ed. São Paulo: Ática.

GARCÍA-CANCLINI, N. 1997. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Heloísa P. Cintrão e Ana Regina Lessa. São Paulo: EDUSP.

GUMBRECHT, H. 1998. Entrevista. 34 letras, Rio de Janeiro, n.2, 97 – 115.

HUTCHEON, L. 1991. Poética do pós-modernismo – História teoria fi cção. Tradução Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago.

JAMESON, F. 1996. Pós-modernismo. A lógica do capitalismo tardio. Tradução de Maria Elisa Cevasco. São Paulo: Ática.

MARBELA, J. 2006. Teoria e história da historiografi a In: ______ (Org). A História escrita: teoria e história da historiografi a. São Paulo: Contexto, p.11-26.

NASCIMENTO, G. M. do. 2006. Feitio de viver: memórias de descendentes de escravos. Londrina: Eduel.

SCLIAR, M. 1999. A mulher que Escreveu a Bíblia. São Paulo: Companhia das Letras.

TORRES, A. 1991. Um táxi para Viena D’Áustria. São Paulo: Companhia das letras




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2007v10p69

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 10

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco