Aproximações: teorias contemporâneas de literatura, identidade e diários

Sérgio Barcelos

Resumo


Os desdobramentos da teoria iseriana para uma compreensão mais empírica da relação texto-leitor abre possibilidades para investigação de textos diversos, além de sua previsível aplicação ao texto literário ficcional. Os diários íntimos, estudados unicamente como textos periféricos e subsidiários em outras abordagens, passam a ser encarados como uma prática textual que transcende a intimidade e isolamento tão aderidos à noção mesma de escrita diarística. Como resultante dessa nova aproximação, a convergência de tendências teóricas mais recentes abarcará as preocupações iniciais dos estudos do diarismo, além de sua mera inserção no campo dos estudos de literatura.

Palavras-chave


Diários íntimos; Teoria da recepção; Identidade; Leitor

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. 1988. “Deliberação”. O rumor da língua. São Paulo: Brasiliense.

CANDAU, Joel. 1998. Mémoire et Identité. Paris : PUF.

COUSER, G. 2004. Thomas. Vulnerable Subjects – Ethics and Life Writing. Ithaca and London: Cornell University Press.

CULLER, Jonathan. 1997. Literary Theory. A very short introduction. Oxford : Oxford University Press.

DIDIER, Beatrice. 1976. Le journal intime. Paris: Presses Universitaires de France.

FOTHERGILL, Robert. 1974. Private Chronicles – A study of English Diaries. London: Oxford University Press.

GANNETT, Cinthia. 1992. Gender and the Journal – Diaries and Academic Discourse. NY: State University of New York Press.

GIRARD, Alain. 1986. Le journal intime. Paris: Presses Universitaires de France.

GUSDORF, G. 1991. Les écritures du moi – Lignes de vie 1. Paris : Odile Jacob.

HALL, Stuart. 2001. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Ed.

ISER, Wolfgang. 1979. “A interação do texto com o leitor”. LIMA, Luiz Costa (org.). A literatura e o leitor. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

JONES, E. & Gerard, H. B. 1967. “Dyadic interaction: a conceptual framework.” Foundations of social psychology. New York: John Willey & Sons, in.

LAING, R.D., H Phillipson e A. R. 1966. Percepção interpessoal. Rio de Janeiro: Livraria Eldorado.

LEJEUNE, Philippe. 1989. “Cher cahier...” Témoignages sur le journal personnel. Paris : Gallimard.

LEJEUNE, Philippe. 1993. Le moi des demoiselles – Enquête sur le journal de jeune fi lle. Paris : Seuil.

MALLON, Thomas. 1984. A Book of One’s Own – People and their diaries. Saint Paul, Minnesota: Hungry Mind Press.

MUZART, Zahidé. 2000. “De navegar a navegantes”. In: Mignot, A.C. ; Bastos, M. H. C.; Cunha, M. T. S. (orgs). Refúgios do Eu – educação, história, escrita autobiográfi ca. Florianópolis: Ed. Mulheres.

MIRAUX, Jean-Philippe. 1996. L’Autobiographie – Écriture de soi et sincérité. Paris : Nathan.

OLINTO, Heidrun Krieger. “Letras na Página/Palavras no Mundo”. Palavra, 1, 1993. p. 7-40.

RICOEUR, Paul. 1991. O si-mesmo como um outro. São Paulo: Papirus.

ROUSSET, Jean. 1983. “Le journal intime, texte sans destinataire ?”. Poétique, 56, XI.

SIMONET-TENANT, Françoise. 2004. Le journal intime – genre littéraire et écriture ordinaire. Paris : Téraèdre.

SCHMIDT, Siegfried J. 1989. “Do texto ao sistema literário. Esboço de uma ciência da literatura empírica construtivista”. Olinto, Heidrun Krieger (org.). Ciência da literatura empírica. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2007v9p44

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco