Forma e militância em “O Moleque”, de Lima Barreto

Marcelo Tadeu Schincariol

Resumo


Partindo da análise do conto “O moleque”, o artigo discute a suposta falta de elegância de Lima Barreto em relação à forma literária. Para tanto, tem-se em conta a noção de literatura militante de que o autor se vale para falar de literatura, como para pô-la em prática.

Palavras-chave


Lima Barreto; Teoria do conto; Militância literária

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, Lima. 1961a. Impressões de leitura. São Paulo: Brasiliense.

BARRETO, Lima. 1961b. Histórias e sonhos. São Paulo: Brasiliense.

COUTINHO, Carlos N. 1972. Realismo e anti-realismo na literatura brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GOTLIB, Nádia B. 1985. Teoria do Conto. São Paulo: Ática.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. 1976. Prefácio. Lima Barreto. Clara dos Anjos. São Paulo: Brasiliense.

RESENDE, Beatriz. 1998. A representação do Rio de Janeiro nas crônicas de Lima Barreto. Beatriz Resende et al.Sobre o pré-modernismo. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa.

SILVA, H. Pereira. 1981. Lima Barreto: escritor maldito. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2005v5p77

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 10

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco