António Marinheiro (O Édipo de Alfama): O Édipo da Era dos Complexos

Virgínia Maria Gonçalves

Resumo


O trabalho trata da tragédia clássica grega e do saber trágico, como experiência poética, plenamente realizada num tempo historicamente situado, na relação com outra forma dramática em que o trágico se manifesta, na modernidade. A partir de estudos sobre a tragédia e do trágico, sob o ponto de vista de alguns autores como Karl Jaspers, Glenn W. Most, Jean Pierre Vernant, Pierre Vidal-Naquet e Emil Staiger, procuramos compreender um fenômeno literário que possibilita relações com outros textos em que o trágico se apresenta, tomando como referência a peça de Bernardo Santareno António Marinheiro (o Édipo de Alfama), na sua relação com o Édipo Rei de Sófocles. Assim, estabelecendo aproximações e diferenças entre os textos, verificamos a possibilidade da existência de novas configurações do trágico na modernidade, tomando as devidas precauções para não perder de vista a historicidade das formas e as transformações no tratamento literário dos mitos. 

Palavras-chave


a tragédia e o trágico; literatura portuguesa; Bernardo Santareno

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2002v2p63

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 10

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco