Movimentos sociais ambientais de Macaé (RJ) em período de predomínio da economia extrativista de petróleo: um olhar decolonial a partir da ecologia política

Giuliana Franco Leal, Matheus Thomaz Silva

Resumo


A cidade de Macaé (RJ) é marcada pela predominânia da economia do petróleo desde meados da década de 1970. O artigo apresentou sinteticamente três momentos do desenvolvimento da indústriado petróleo na região do Norte Fluminense (RJ). Buscou-se identifcar movimentos ambientais da cidade e as maneiras como se expressaram relacionados com cada período. A pesquisa se fez por meio de pesquisa bibliográfica, documental e entrevistas informais com sujeitos-chave na luta ambiental local. Os movimentos ambientais foram discutidos à luz das correntes do ambientalismo, conforme as definições de Joan Martinez Alier (1998, 2017), assim como a partir do campo teórico da ecologia política sob perspectivas decoloniais. No sentido que são identificados movimentos tanto urbanos como rurais, se observa características da cidade colonial e as possibilidades do bem. A pesquisa evidenciou que os movimentos presentes nas duas primeiras fases regionais do petróleo contribuíram para a formação de unidades de conservação e de um conselho municipal de meio ambiente e, no ciclo iniciado com a exploração do Pré-Sal, os movimentos avançaram na atuação em prol da agroecologia e das alianças de classes. Dessa forma, os referidos movimentos contribuem para a sensibilização da sociedade e dos poderes públicos para problemas ambientais.

Palavras-chave


Movimentos sociais ambientais. Ecologia política. Cidade colonial. Bem viver. Macaé.

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri. Ambientalização das lutas sociais: o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 68, p. 103-119, 2010.

ALIER, Joan Martinez. Da economia ecológica ao ecologismo popular. Blumenau: Editora da Furb, 1998.

ALIER, Joan Martinez. O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagem de valoração. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

AMDA - ASSOCIAÇÃO MACAENSE DE DEFESA AMBIENTAL. Livro-ata. Macaé: AMDA, 1989.

CADENA, Alberto Silva; COSTA, Ricardo Cesar Rocha da. Macaé, capital do petróleo: desenvolvimento econômico, desigualdades sociais e expansão urbana: uma análise sobre as dimensões de renda, educação e saúde, com base nos resultados da pesquisa domiciliar do programa Macaé Cidadão 2006-2007. Macaé: Prefeitura Municipal, 2012.

CASTRO, Astrea Gomes. Conservação do pecado: trajetória e conflitos de uma praia e sua restinga em Macaé-RJ. 2020. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais e Conservação) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Macaé, 2020.

CRUZ, José Luis Vianna da. Novas perspectivas de análise da dinâmica socioeconômica e territorial da região fluminense do extrativismo petrolífero. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, Rio de Janeiro, n. 9, p. 49-67, jan./jun. 2016.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico os quatro genocídios/epistemicídio do longo século XX. Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 25-49, jan./abr. 2016.

IBAÑEZ, Mario Rodriguez. Ressignificando a cidade colonial e extrativista: bem viver a partir de contextos urbanos. In: DILGER, Gerhard; LANG, Miriam; PEREIRA FILHO, Jorge (org.). Descolonizar o imaginário: debates sobre o pós-extrativismo e as alternativas ao desenvolvimento. São Paulo: Editora Elefante, 2016. p. 296-335.

MARICATO, Ermínia. É a questão urbana, estúpido! In: VAINER, Carlos et al. Cidades rebeldes: passe livre as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013. p. 19-26.

NOSSO FUTURO COMUM. Comissão mundial sobre meio ambiente e desenvolvimento. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1991.

OLIVEIRA, Dayse Maria da Silva Caciano de. O projeto de desenvolvimento sustentável e os desafios para a construção de novas formas de assentamentos: o caso do assentamento Osvaldo de Oliveira em Macaé-RJ. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Serviço Social) - Universidade Federal Fluminense, Rio das Ostras, 2014.

PAGANOTO, Faber. Mobilidade e trabalho em Macaé/RJ, a “capital do petróleo”. 2008. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

PIQUET, Rosélia. Impactos da indústria do petróleo no Note Fluminense. In: HERCULANO, Selene; CORREA, H. D. Oficina sobre impactos sociais, ambientais e urbanos das atividades petrolíferas: o caso de Macaé (RJ). Niterói: UFF, 2010.

SILVA, Nivia. Assentamento Osvaldo de Oliveira: exemplo de luta e resistencia na produção agroecologica e na reforma agrária. Boletim do MST Rio, Rio de Janerio, 21 dez. 2017. Disponível em: http://boletimmstrj.mst.org.br/assentamento-pds-osvaldo-de-oliveira-exemplo-de-luta-e-resistencia-na-producao-agroecologica-e-na-construcao-da-reforma-agraria-popular/#:~:text=do%20MST%20Rio-,Assentamento%20PDS%20Osvaldo%20de%20Oliveira%3A%20exemplo%20de%20luta%20e%20resist%C3%AAncia,constru%C3%A7%C3%A3o%20da%20Reforma%20Agr%C3%A1ria%20Popular&text=No%20dia%2028%20de%20fevereiro,estavam%20preocupados%20com%20a%20demora. Acesso em: 4 fev. 2019.

SOLON, Pablo. Alternativas sistêmicas. São Paulo: Editora Elefante, 2019.

SVAMPA, Maristella. Consenso de los commodities, giro ecoterritorial y pensamento crítico en América Latina. In: OSAL. Observatório Social de América Latina. Publicação semestral do Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO). Ano XIII N 32, novembro de 2012.

TAVARES, Fernando Marcelo Manhães. Histórico e atividades da Agenda 21 Macaé. In: DEMARCHES TERRITORIALES DE DEVELOPPEMENT DURABLE. [S. l.], 2015. Disponível em: http://demarchesterritorialesdedeveloppementdurable.org/macae-brasil-2/. Acesso em: 4 fev. 2019.

TAVARES, Fernando Marcelo Manhães. Impactos do petróleo: a experiencia de Macaé: lições para o pré-sal. In: PRE-SAL. [S. l.], 2019. Disponível em: www.pre-sal.info/2019/07/08/impactos-do-petroleo-a-experiencia-de-macae-para-o-pre-sal-texto-completo/. Acesso em: 9 out. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-4842.2020v23n2p320

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Serviço Social em Revista

E-ISSN: 1679-4842

E-mail: ssrevista@uel.br