O protagonismo das trabalhadoras rurais no acesso ao direito à terra, permanência e modo de produção coletiva

Ines Terezinha Pastorio, Marli Renate von Borstel Roesler

Resumo


Este artigo integra a pesquisa dissertativa intitulada A Mulher no Processo Produtivo Familiar com Sustentabilidade no Assentamento Valmir Mota de Oliveira – Cajati – Cascavel-PR. Em seu percurso textual discute a organização do movimento dos trabalhadores rurais sem terra e protagonismo (in)visível das mulheres na luta pelo acesso ao direito à terra, permanência e organização produtiva coletiva. Conhecimento resultante de revisão bibliográfica e de pesquisa empírica, cujo objetivo primário foi apontar a participação do MST e da mulher na efetivação da reforma agrária no Brasil. Dentre os resultados aproximativos da discussão, é possível destacar que a questão agrária se faz presente na história política, geográfica, territorial, cultural e da equidade de gênero no país, marcada por contradições, violações e conflitos nas lutas por direitos fundamentais, igualitários e com justiça distributiva. Nesse contexto de valores e princípios de direitos humanos, de condições reais de seguridade vital, reiteramos a particularidade da participação histórica e política das mulheres no desenvolvimento rural sustentável.

Palavras-chave


Direito à terra; Reforma agrária; Sustentabilidade; Protagonismo das mulheres.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, M. P. S. L. Patriarcalismo e o feminismo: uma retrospectiva histórica. Ártemis, João Pessoa, v. 1, p. 64-73, 2004. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis/article/viewFile/2363/2095. Acesso em: 1 nov. 2015.

BRASIL. Presidência da República. Plano nacional de políticas para as mulheres. Brasília, DF: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpm_compacta.pdf. Acesso em: 5 ago. 2015.

BRUMER, A.; ANJOS, G. Relações de gênero em assentamentos: a noção de empoderamento em questão. In: LOPES, A.; BUTTO, A. (ed.). Mulheres na reforma agrária, a experiência recente no Brasil. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2008. p. 217- 238.Disponível em: http://www.mstemdados.org/sites/default/files/1396-4020-1-PB.pdf. Acesso em: 8 ago. 2015.

CANDIDO, A. (org.). Sérgio Buarque de Holanda e o Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo,1998.

CARIGNANO, J. Valmir Mota em festa: a conquista da terra e dignidade. 2012. Disponível em: http://sitiocoletivo.blogspot.com.br/2012/10/valmir-mota-em-festa-conquista-da-terra.html. Acesso em: 7 ago. 2015.

DEERE, C. D. Os direitos da mulher à terra e os movimentos sociais rurais na reforma agrária brasileira. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 175-204, jan./abr. 2004. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=38112110. Acesso em: 4 jun. 2015.

DELGADO, G. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2012.

DEMO, P. Participação é conquista: noções de política social participativa. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

DIAS, M. O. L. S. Política e sociedade na obra de Sergio Buarque de Holanda. In: CANDIDO, A. (org.). Sérgio Buarque de Holanda e o Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo,1998.

FERNANDES, B. M. A judicialização da luta pela reforma agrária. In: SANTOS, J. V. T. (org.). Violências no tempo da globalização. São Paulo: Hucitec, 1999. Disponível em: file:///C:/Users/Usuario/Downloads/123223-231621-1-SM.pdf. Acesso em: 5 maio 2018.

FERNANDES, B. M. Questão Agrária: conflitualidade e desenvolvimento territorial. 2004. Disponível em: http://bibspi.planejamento.gov.br/bitstream/handle/iditem/564/Quest%C3%A3o%20agr%C3%A1ria_conflitualidade%20e%20desenvolvimento%20territorial.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 5 maio 2018.

HOLANDA. S. B. “RAÍZES DO BRASIL”. 1979. São Paulo: Perspectiva.

LEFF, E. La apuesta por la vida: imaginación sociológica e imaginários sociales em losambientalesdelsur. México: Siglo XXI Editores, 2014.

MEDEIROS, L. S. Assentamentos rurais e gênero: temas de reflexão e pesquisa. In: BUTTO, A.; LOPES, A. L. (org.). Mulheres na reforma agrária a experiência recente no Brasil. Brasília, DF: MDA, 2008. p. 9-18. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2015.

MONTAÑO, C.; DURIGUETTO, M. L. Estado, classe e movimento social. São Paulo: Cortez, 2010.

PASTÓRIO, I. T. A mulher no processo produtivo familiar com sustentabilidade no assentamento Valmir Mota de Oliveira – Cajati – Cascavel – PR. 2015. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural sustentável) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Cândido Rondon, 2015.

PAULILO, M. I. Movimentos das mulheres agricultoras e os muitos sentidos da igualdade de gênero. In: FERNANDES, B. M.; MEDEIROS, L. S.; PAULILO, M. (org.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas, v. 2: a diversidade das formas das lutas no campo. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009.

SCHWENDLER, S. F. A Participação da mulher na luta pela terra: dilemas e conquistas. In: FERNANDES B. M.; MEDEIROS, L. S.; PAULILO, M. I. (org.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas, conquistas. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009.

SIMIONATTO, I. Gramsci: sua teoria, incidência no Brasil, influência no serviço social. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SILVA, M. E. F. A (des) territorialização do povo Xukuru-Kariri e o processo de demarcação das terras indígenas no município de Palmeira dos Índios – Alagoas. 2004. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Sergipe, Aracajú, 2004. Disponível em: http://indiosnonordeste.com.br/wp-content/uploads/2012/08/dissertacao_maria-ester.pdf. Acesso em: 5 ago. 2015.

SOUZA, M. R. A importância da posse da terra para o enfrentamento à feminização da pobreza no Assentamento São Manoel. In: FAZENDO GÊNERO, 8., 2008, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, 2008. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST12/Marlene_Ricardi_de_Souza_12.pdf. Acesso em: 7 nov. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-4842.2019v21n2p355

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Serviço Social em Revista

E-ISSN: 1679-4842

E-mail: ssrevista@uel.br