Reflexões sobre o componente ideopolítico do trabalho profissional do assistente social

Luciana Gonçalves Pereira de Paula

Resumo


O presente artigo apresenta reflexões acerca do componente ideopolítico do Serviço Social – considerando-o inerente ao trabalho profissional do/a assistente social. Destaca, sob a forma de eixos analíticos, algumas considerações que agrupam certos equívocos frequentes em meio a este debate, como: a confusão entre prática profissional e militância política; a consideração de uma prática profissional supostamente apolítica; a identificação do componente ideopolítico enquanto prática profissional crítica; e a percepção deste componente enquanto práxis revolucionária. Posteriormente, aponta algumas questões significativas para uma compreensão mais aprofundada em relação ao componente ideopolítico do Serviço Social: a origem desse componente; o Serviço Social como produto e produtor das relações sociais; os desafios apresentados pela realidade contemporânea à construção de uma intervenção profissional crítica; e as possibilidades para a sintonia com os interesses históricos da classe trabalhadora. Este mergulho reflexivo tem por objetivo subsidiar a construção de intervenções profissionais sustentadas em aportes teórico-metodológicos afinados com o projeto ético-político em hegemonia no Serviço Social, buscando ao atendimento dos reais interesses dos sujeitos com os quais o/a assistente social trabalha.

Palavras-chave


Serviço Social; Dimensões do trabalho profissional; Projeto ético-político.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-4842.2018v20n2p5

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Serviço Social em Revista

E-ISSN: 1679-4842

E-mail: ssrevista@uel.br