Trabalho ou benefício de prestação continuada: a escolha da família do jovem com Síndrome de Down

Ana Lívia Urbini Rocha, Maria de Fatima Campos Françozo

Resumo


O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é uma política de proteção social destinada à pessoa com deficiência e ao idoso em condição de vulnerabilidade. O objetivo deste estudo foi conhecer o significado que a família atribui ao BPC e ao trabalho, bem como as escolhas feitas para o jovem com Síndrome de Down (SD).  Trata-se de um estudo qualitativo, em que foram entrevistados 11 pais ou responsáveis por jovens com SD, que recebem ou já receberam o BPC e que tiveram alguma experiência de trabalho. A maioria dos participantes é beneficiário do BPC há mais de 10 anos. Para muitos o benefício está incorporado ao orçamento familiar e é fundamental para o sustento da casa. Este é um dos motivos pelos quais muitos dos jovens não trabalham. Outras razões referem-se às dificuldades dos pais em leva-los ao trabalho e a percepção de que o local não é seguro para eles. A escolha entre o benefício ou o trabalho é feita pela família. Experiências positivas daqueles que trabalham são referidas como autonomia e independência. Há necessidade de políticas sociais de orientação às famílias em relação aos direitos ao benefício e ao papel que o trabalho tem para o jovem com SD.

 

  


Palavras-chave


Política Social; Família; Direito

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-4842.2018v20n2p123

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Serviço Social em Revista

E-ISSN: 1679-4842

E-mail: ssrevista@uel.br