A centralidade da família nos serviços de atendimento de pacientes com transtornos mentais e dependentes químicos

Daniela Abreu Amaral, Claudete Marlene Fries Bressan

Resumo


O objetivo deste artigo é caracterizar a intervenção profissional do assistente social no trabalho com famílias nos serviços de atendimento à pacientes com transtornos mentais e dependentes químicos.  Trata-se de pesquisa bibliográfica que aborda as contribuições da reforma psiquiátrica na formulação e implementação das políticas sociais públicas voltadas para saúde mental e dependência química e que visa identificar a inserção da família no processo de tratamento, particularizando a atuação do profissional de Serviço Social. A família contemporânea é entendida como uma instituição social formada por pessoas, entre as quais há laços consanguíneos, parentesco, afinidade e dependência. É, também, espaço de proteção e sobrevivência de seus membros. A atuação profissional do assistente social com as famílias na área da saúde mental e dependência química possui ênfase no trabalho com grupos, que visa a troca de experiências entre os cuidadores como uma forma de potencializar e valorizar os cuidados familiares. A desconstrução de conceitos já estabelecidos socialmente relacionados a essa área de intervenção se constitui como um dos desafios para os assistentes sociais que atendem as famílias. 


Palavras-chave


Família. Tratamento; Trabalho com grupos; Atuação profissional

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-4842.2015v17n2p108



Serviço Social em Revista

E-ISSN: 1679-4842

E-mail: ssrevista@uel.br