Teoria da Complexidade e as múltiplas abordagens para compreender a realidade social

Luis Miguel Luzio dos Santos, Edna Marta Pelosi, Bernardo Carlos Spaulonci Chiachia Matos de Oliveira

Resumo


Este ensaio é produto de uma reflexão sobre as múltiplas abordagens, que se contrapõe ao reducionismo e ao determinismo positivista hegemônico. Propõe-se a auxiliar na compreensão de como a Teoria da Complexidade apresenta-se como um modelo epistêmico mais frutífero para as ciências sociais à medida que apresenta uma visão mais complexa e ampliada da realidade. Parte-se, no entanto, num primeiro momento, da premissa de que a teoria geral dos sistemas, antes mesmo que o pensamento complexo, propõe-se a romper com o reducionismo, o mecanicismo e o determinismo clássico, mas falha justamente onde o primeiro é mais avassalador para a prática sócia l– na capacidade que este demonstrou durante longos anos de manter a regulação e a ordem vigente. Contudo, sem intencionar apresentar a Teoria da Complexidade como uma alternativa definitiva ao pensamento ortodoxo, faz-se um paralelo entre esta e a dialética marxista, com a qual, ao mesmo tempo em que parece dialogar, diverge num aspecto fundamental – a forma de conceber a mudança social – e a partir disto adentra-se na discussão sobre seu possível relativismo.


Palavras-chave


Teoria Geral dos Sistemas; Teoria da Complexidade; Crise do Paradigma Dominante

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-4842.2012v14n2p47



Serviço Social em Revista

E-ISSN: 1679-4842

E-mail: ssrevista@uel.br