Uma contribuição da semiótica greimasiana para o estudo de um gênero textual

Cláudia Lopes Nascimento

Resumo


À medida que os documentos oficiais preconizam o ensino de línguas a partir da teoria da enunciação e da teoria dos gêneros, é crucial que avancemos sobre questões teóricas e aplicadas que possam contribuir para a ampliação das ferramentas teóricas e práticas colocadas à mão do professor no trabalho didático com o texto em si e com sua relação com o contexto em que ocorre. Para a teoria semiótica é de fundamental importância elaborar respostas para a questão: como descrever e explicar os textos, salientando que na sociedade atual, os textos das mídias, quer sejam de jornal, revista, publicidade, televisão, internet ou das multimídias, além dos textos das gravuras, do desenho e das artes plásticas têm se tornado de convívio obrigatório nos contextos educacionais. A teoria semiótica tem se preocupado com a educação, sobretudo a fim de intervir em sua relação com o texto não-verbal, visando a formação do leitor reflexivo e crítico da imagem como parte integrante do todo de sentido. A leitura semiótica quer ensinar o leitor a “ler vendo” o texto, sem se ater apenas à captação dos aspectos lingüísticos ou gramaticais da leitura tradicional, pois só assim o que é dito e não-dito pode ser capturado no texto. A nossa exposição está dividida em cinco partes: a) a apresentação de referentes teóricos; b) comentários sobre as embalgens de cigarro enquanto gênero textual; c) o contexto de produção; d) a situação de ação de linguagem; e) fígurativizações imagéticas e verbais.

 

 


Palavras-chave


Textos imagéticos; Semiótica.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-4876.2003v6n2p161



Signum: Estudos da Linguagem
Telefone: (43) 3371-4428
E-mail: signum@uel.br
ISSN: 2237-4876