O Hedge “Ser de (se) V(inf.)” em Textos Acadêmicos

Angelina Aparecida de Pina

Resumo


Este artigo analisa a estrutura ser de (se) V(inf.) em português. Para investigar a sintaxe, a semântica e a pragmática dessa estrutura, são aplicadas (a) a noção de construção gramatical, (b) a noção de modalidade como um sistema de dinâmica de forças, incluindo o domínio epistêmico, (c) a noção de hedge como uma estratégia de polidez. Baseada nessas noções, esta pesquisa advoga que ser de (se) V(inf.) é (i) uma construção gramatical produtiva, que tem uma lacuna que deve ser preenchida com um verbo cognitivo, (ii) um hedge, cujo significado é epistêmico e cuja função é preservar a face do leitor/escritor.


Palavras-chave


Construção gramatical; Modalidade epistêmica; Polidez; Hedge.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-4876.2004v7n2p165



Signum: Estudos da Linguagem
Telefone: (43) 3371-4428
E-mail: signum@uel.br
ISSN: 2237-4876