A Contrapalavra em Processos de Revisão e de Reescrita

Renilson José Menegassi, Nayara Emidio de Lima

Resumo


Neste estudo, objetivamos investigar como a contrapalavra configura-se nos discursos escritos de alunos e como os processos de revisão e de reescrita podem contribuir para a sua manifestação nos textos produzidos em situação de ensino. Para tanto, pautamo-nos na concepção dialógica de linguagem (BAKHTIN, 2003; BAKHTIN/VOLOCHINOV, 2010), bem como nas discussões acerca dos processos de revisão e reescrita (MENEGASSI, 1998; JESUS, 2004; RUIZ, 2010). No estudo, analisamos o processo de produção textual escrita do gênero discursivo resumo, realizadas por estudantes do Ensino Fundamental II, considerando: a) as orientações presentes no comando de produção; b) a primeira versão do texto do estudante; c) as correções efetuadas no processo de revisão docente; d) a segunda versão do texto produzido. Com a análise, pudemos verificar as transformações de “palavras alheias” em “palavras minhas” no processo de produção textual e as contribuições das correções da professora à produção dos alunos e à manifestação de contrapalavras nos resumos.

Palavras-chave


Contrapalavra; Revisão e reescrita; Resumo escolar.

Referências


BAKHTIN. M. Estética da criação verbal. Introdução e tradução Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN/VOLOCHÍNOV, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

BRAGAGNOLLO, R. M. A produção textual do gênero resumo escolar. In: ANTONIO, J. D.; NAVARRO, P. (Org.). Gêneros textuais em contexto de vestibular. Maringá: Eduem, 2017.

CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T. C. Português: linguagens. 7. ed. reform. São Paulo: Saraiva, 2012.

FARACO, C. A. Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FIAD, R. S., MAYRINK-SABINSON, M. L. T. A escrita como trabalho. In: MARTINS, M. H. (Org.). Questões de linguagem. São Paulo: Contexto, 1991. p.54-63.

JESUS, C. A. de. Reescrevendo o texto: a higienização da escrita. In: CHIAPPINI, L. (Coord.). Aprender e ensinar com textos. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2004. p.99-117.

MACHADO, A. R.; LOUSADA, E. G.; ABREU-TARDELLI, L. S. Resumo. 7. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

MENEGASSI, R. J. Da revisão à reescrita de textos: operações e níveis linguísticos na construção do texto. 1998. 265 f. Tese (Doutorado)-Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Ciências e Letras de Assis, Assis, 1998.

_____. Conceitos bakhtinianos na prova de redação. Revista Línguas e Letras. Ed. Especial XIX CELLIP, primeiro semestre de 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2018.

_____. A escrita como trabalho na sala de aula. In: JORDÃO, C. M. (Org.). A linguística aplicada no Brasil: rumos e passagens. Campinas: Pontes Editores, 2016.

MENEGASSI, R. J.; GASPAROTTO, D. M. Revisão textual-interativa: aspectos teórico-metodológicos. Revista Domínios de Linguagem. v. 10, n.3, p. 1019-1045, 2016. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem /article/view/33021. Acesso em: 28 mai. 2018.

RUIZ, E. D. Como corrigir redações na escola: uma proposta textual-interativa. 1. ed.1. Reimp. São Paulo: Contexto, 2010. p.33-57.

SERAFINI, M. T. Como escrever textos. Tradução Maria Augusta Barros de Mattos, Adaptação Ana Luísa Marcondes Garcia. Rio de Janeiro: Globo, 1987.

STELLA, P. R. Palavra. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2007, p. 177-190.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-4876.2018v21n3p208

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Signum: Estudos da Linguagem
Telefone: (43) 3371-4428
E-mail: signum@uel.br
ISSN: 2237-4876