A Produção Textual Escrita como Disciplina Escolar: implicações na Educação Básica

Fabiana Veloso de Melo Dametto, Marcia Cristina Corrêa

Resumo


Este trabalho tem como objetivo refletir acerca de uma prática instaurada por iniciativa de escolas e que vem se consolidando de maneira silenciosa e a parte das atuais prescrições oficiais para o ensino de língua materna no Brasil. Trate-se da implantação de uma disciplina escolar denominada Redação ou Produção Textual, focada exclusivamente no desenvolvimento da escrita. Esse movimento é autônomo, mas não orgânico. A criação de uma disciplina implica pensarmos uma multiplicidade de aspectos envolvidos nesse processo. Nesse sentido, faz-se necessário discutirmos problemas relacionados à gênese, à função e ao funcionamento dessa disciplina presente na grade curricular escolar. Para tanto, este trabalho tem como ponto de partida experiências vivenciadas por profissionais da Educação Básica. Por essa razão, a fala produzida aqui é de uma professora-pesquisadora dirigindo-se aos formadores de professores. Além disso, busca-se estabelecer, à luz da História das Disciplinas Escolares, uma articulação entre discurso científico e práticas docentes.

Palavras-chave


Ensino; Produção Textual; Educação Básica.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


BITTENCOURT, C. M. F. Disciplinas escolares: história e pesquisa. In: OLIVEIRA, M. A. T. de; RANZI, S. M. F. (Org.). História das disciplinas escolares no Brasil: contribuição para o debate. Bragança Paulista: EDUSF, 2003. p. 9-38.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei no 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Parte II, Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília, DF: SEMTEC, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio (PCNEM). Linguagens, códigos e suas tecnologias. Parte II, Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília, DF: SEMTEC, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. PCN+ Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. v. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, DF: MEC; SEMTEC, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Orientações curriculares para o ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC; SEB, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução no 2, de 30 de janeiro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 31 jan. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular/EF. 3. ver. Brasília: Secretaria de Educação Básica, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular/EM. Brasília: Secretaria de Educação Básica, 2018.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria e Educação, n. 2, p. 177-229, 1990.

FARIA, V. F. S. de. O ensino de literatura e a formação do leitor literário: entre saberes, trajetórias de uma disciplina e suas relações com os documentos oficiais. Revista Iberoamericana de Educación, n. 49, v. 7, p. 2-12, jun. 2009.

FARACO, C. A. Linguagem e diálogo: as ideias lingüísticas do Círculo de Bakhtin. Curitiba: Criar, 2003.

FORTES, R. A.; OLIVEIRA, V. da S. O ensino de literatura no Ensino Médio e os documentos oficiais. Contexto, Vitória, n. 27, p. 281-304, jan./jun. 2015.

FRIEDRICH, J. Lev Vigotski: mediação, aprendizagem e desenvolvimento: uma leitura filosófica e epistemológica. Campinas: Mercado de Letras, 2012.

GERALDI, J. W. Da redação à produção de textos. In: CHIAPINI, L. (Org.). Aprender e escrever com textos de alunos. São Paulo: Cortez, 1998. p. 17-23.

GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula. 4. ed. São Paulo: Ática, 2006 [1985].

LEMOS, C. de. Redações de vestibular: algumas estratégias. Cadernos de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas, n. 23, 1977.

MESERANI, S. O intertexto escolar. Sobre leitura, aula e redação. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2002 [1995].

RIBEIRO NETTO, A. O vestibular no sistema educacional brasileiro. Cadernos de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas, n. 24, 1978.

PÉCORA, A. Problemas de redação. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

PIETRI, E. de. Circulação de saberes e mediação institucional em documentos oficiais:

análise de uma proposta curricular para o ensino da Língua Portuguesa. Currículo sem Fronteiras, v. 7, n. 1, p. 263-283, jan./jun. 2007.

PIETRI, E. de. Sobre a constituição da disciplina curricular de Língua Portuguesa. Revista Brasileira de Educação, v. 15, n. 43, p. 70-83, jan./abr. 2010.

PIETRI, E. de. O currículo e os discursos sobre o ensino de Língua Portuguesa: relações entre o acadêmico, o pedagógico e o oficial na década de 1970, no Brasil. Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 3, p. 515-537, set./dez. 2013.

ROCCO, M. T. Crise na linguagem: a redação no vestibular. São Paulo: Mestre Jou, 1981.

SOARES, M. A redação no vestibular. Cadernos de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas, n. 24, 1978.

SOUZA JÚNIOR, M.; GALVÃO, A. M. de O. História das disciplinas escolares e história da educação: algumas reflexões. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 391-408, set./dez. 2005.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2001. VIANNA, H. Redação e medida da expressão escrita: algumas contribuições da pesquisa educacional. Cadernos de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas, n. 16, 1976.

VICENTINI, M. P. A redação no ENEM e a redação no 3o ano do ensino médio: efeitos retroativos nas práticas de ensino da escrita. 2015. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-4876.2018v21n2p220

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Signum: Estudos da Linguagem
Telefone: (43) 3371-4428
E-mail: signum@uel.br
ISSN: 2237-4876