Análise Paradigmática e Sintagmática em Pesquisa Qualitativa com Dados de Linguagem Humana

Simone Reis

Resumo


Este artigo apresenta abordagem-método científico para análise qualitativa de dados de linguagem humana. Criado na Linguística Aplicada, este produto indutivo-dedutivo supre lacunas das conhecidas abordagens e métodos denominados Etnografia e Grounded theory. Ela possibilita responder perguntas de pesquisa e gerar teoria fundamentada nos dados, considerando sua totalidade e suas especificidades, com síntese analítica e sem reprodução, sem espelhamento e sem paráfrase de dados. Constituindo-se de duas fases principais, na primeira – a paradigmática --, examinam-se os dados verticalmente e criam-se classificações, que, ao final, são dispostas harmonicamente em hiperônimos e respectivos hipônimos sob determinada dimensão. Na segunda fase – a sintagmática – o pesquisador faz as asserções-respostas às perguntas de pesquisa, usando as classificações elaboradas na primeira fase e levando em consideração o poder epistemológico e ontológico que a linguagem exerce. Enquanto abordagem-método, esse caminho científico é calcado em intersubjetivação dialógica e por princípios éticos emancipatórios.


Palavras-chave


[nome científico]; Pesquisa qualitativa; Linguagem humana.

Referências


CANN, R. Sense relations. In: MAIENBORN, C.; HEUSINGER, K.; PORTNER, P. (Ed.). Semantics: an international handbook of natural language meaning. v. 1. Handbook of Linguistics and Communication Science, Mouton de Gruyter, 2011. p. 456-478.

CHIMENTÃO, L. K. Triangulação por instrumentos humanos de categorias iniciais de pesquisa doutoral. Grupo de Pesquisa Linguagem e Poder. Universidade Estadual de Londrina, 2014.

CHIMENTÃO, L. K. Entre quatro binários: um estudo sobre desenvolvimento profissional docente. 2016. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

CHRISTIANS, C. G. A ética e a política na pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. L.; LINCOLN, Y. S. (Org.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teoria e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006 [1994]. p. 141-162.

CORADIM, J. N. Leitura Crítica e Letramento Crítico: idealizações, desejos ou (im)possibilidades. 2008. Dissertação (Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

CORADIM, J. N. Triangulação por instrumentos humanos de categorias e dimensões analíticas de pesquisa doutoral. Grupo de Pesquisa Linguagem e Poder. Universidade Estadual de Londrina, 2014.

CORADIM, J. N. Ciclos reflexivos alternativos. 2015. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

CRYSTAL, D. The Cambridge Encyclopedia of the English Language. Cambridge; New York; Melbourne: Cambridge University Press, 1995.

D’ALMAS, J. Leitura crítica: um estudo da aprendizagem do aluno-professor no contexto de educação inicial. 2011. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

D’ALMAS, J. Triangulação por instrumentos humanos de categorias iniciais de pesquisa doutoral. Grupo de Pesquisa Linguagem e Poder. Universidade Estadual de Londrina, 2014.

D’ALMAS, J. Da passividade à agência: desenvolvimento de professoras como resultado de empoderamento. 2016. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

EGIDO, A. A. Students’ assumptions, prejudice, and discrimination in an English language class. Curitiba: Appris, 2018.

ERICKSON, F. Qualitative methods in research on teaching. In: WITTROCK, M. C. (Ed.). Handbook of research on teaching. 3. ed. New York: Macmillan, 2004 [1986]. p. 119-161.

GLASER, B.; STRAUSS, A. Discovery of Grounded Theory: Strategies for qualitative research. Mill Valley, CA: Sociology Press, 1967.

LOPES, L. M. Leituras de professores de inglês em formação por meio de atividade embasada no letramento crítico. 2013. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

LYONS, J. Semântica I. Tradução de Wanda Ramos. Lisboa: Presença, 1977.

MANSOURI, A. N. H. Semantic field theory and the teaching of English vocabulary, with special reference to Iraqi Secondary Schools. 1985. Doctoral thesis (Linguistics) – University of Sheffield. Disponível em: https://bit.ly/2pRwRu7. Acesso em: 15 jul. 2017.

MESQUITA, R. M. Gramática da língua portuguesa. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2007. PETRECHE, C. R. C. Educação de professores de língua inglesa no Estado do Paraná: uma metapesquisa. Projeto de Pesquisa Doutoral em Estudos da Linguagem. Plataforma Brasil. CAAE 64313717.7.0000.5231. Data de submissão: 01 fev. 2017. Aprovado em: 08 fev. 2017.

REIS, S. Triangulação em pesquisa qualitativa: Consistência, divergência, alternatividade e causas. In: DURÃO, A. B. A. B; ANDRADE, O. G.; REIS, S. (Org.). Reflexões sobre o ensino das línguas estrangeiras. Londrina: Moriá, 2008. p. 87-105.

REIS, S. Sentidos de letramentos em identidades de alunos professores de inglês: um estudo cognitivo discursivo. In: REIS, S.; CAMPOS, A. G.; SILVA, J. O. (Org.). Construções discursivas de identidades educacionais. Londrina: EDUEL, 2014. p. 129-154.

REIS, S. Análise paradigmática e sintagmática. 2015. Disponível em: https://bit.ly/2yH69ID.

REIS, S.; EGIDO, A. A. Ontologia, epistemologia e ética como determinantes metodológicos em estudos da linguagem. In: REIS, S. (Org.). História, políticas e ética na área profissional da linguagem. Londrina: EDUEL, 2017. p. 227-250. Signum: Estudos da Linguagem, Londrina, v. 21, n. 2, p. 147-171, ago. 2018

REIS, S.; EGIDO, A. A.; FRANCESCON, P. K. Laboratorio de linguas: para quê e para quem? Revista de Estudos de Cultura, v. 7, p. 109-119, 2017.

RIEMER, N. Introducing Semantics. New York: Cambridge University Press, 2010. SCHWANDT, T. Three epistemological stances for qualitative inquiry: interpretitivism, hermeneutics and social constructivism. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. (Ed.). Handbook of qualitative research. 2. ed. Thousand Oaks: Sage Publications, 2003. p. 189-213.

SECCATO, M. G. Incidentes críticos educacionais: vozes de professores em formação sob lentes da linguística aplicada crítica. Projeto de Pesquisa Doutoral em Estudos da Linguagem. Plataforma Brasil. CAAE 64113417.0.0000.5231. Data de submissão: 13 fev. 2017. Aprovado em: 20 fev. 2017.

SENEFONTE, F. H. R. Gírias em aulas de inglês? Percepções de professores do Ensino Médio. 2014. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

SENEFONTE, F. H. R. Inglês informal: ensino e formação de professores. Projeto de Pesquisa Doutoral em Estudos da Linguagem. Plataforma Brasil. CAAE: 57569916.0.0000.5231. Data de submissão: 01 ago. 2016. Aprovado em: 08 ago. 2016.

STRAUSS, A. L.; CORBIN, J. Basics of qualitative research: Grounded theory procedures and techniques. Newbury Park: Sage Publications, 1990.

SUZUMURA, D. Análise de atividades para leitura crítica em inglês. 2011. Monografia (Especialização em Língua Inglesa) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-4876.2018v21n2p147

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Signum: Estudos da Linguagem
Telefone: (43) 3371-4428
E-mail: signum@uel.br
ISSN: 2237-4876