Algumas considerações sobre a transcrição fonética nos Atlas Lingüísticos do Brasil

Iara Maria Teles, Adelaide Hercília Pescatori Silva

Resumo


A transcrição fonética da fala nem sempre é algo consensual, devido às próprias limitações das ferramentas disponíveis para este fim, como observa Ladefoged (1990). Esse problema se acentua nos casos de fala espontânea. Pretende-se, assim, tecer algumas considerações sobre a problemática da transcrição do Questionário Fonético-Fonológico (QFF) dos Atlas lingüísticos do Brasil. Sabe-se que é quase impossível fazer uma análise acústica de todos os dados do QFF, por questões óbvias, e, além disso, uma transcrição fina talvez dificultasse o acesso aos dados por quem não fosse especialista em Fonética; mas, por outro lado, uma transcrição imprecisa pode levar a erros de interpretação.


Palavras-chave


Transcrição fonética; Alfabeto Fonético Internacional; Atlas lingüístico.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-4876.2008v11n2p



Signum: Estudos da Linguagem
Telefone: (43) 3371-4428
E-mail: signum@uel.br
ISSN: 2237-4876