Ambiguidade, negação e c-comando

Rerisson Cavalcante de Araújo

Resumo


Neste artigo, analiso o fenômeno da ambiguidade do escopo negativo em sentenças com adjuntos causais, temporais e de finalidade, em que a negação pode recair sobre o predicado ou sobre o adjunto. Discuto as análises de Huang (1982), Takubo (1985) e Johnston (1994) segundo os quais a ambiguidade decorre de diferentes relações de c-comando entre negação e adjunto, em decorrência da opcionalidade de adjunção ao VP e ao IP. Apresento uma série de fatos linguísticos que são problemáticos para essa análise, i.e., contextos em que o adjunto deve ser c-comandado pela negação, mas em que a ambiguidade ainda permanece, ao contrário do esperado. Argumento que o c-comando é uma condição necessária, mas não suficiente, para a definição do escopo e defendo que a disponibilidade das leituras de negação de predicado e de negação de adjunto decorre da opcionalidade da aplicação de rotulação no processo de adjunção, segundo Hornstein e Nunes (2008).

Palavras-chave


escopo negativo; adjuntos; rotulação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-4876.2016v19n2p470



Signum: Estudos da Linguagem
Telefone: (43) 3371-4428
E-mail: signum@uel.br
ISSN: 2237-4876