Análise perceptual das frases exclamativas e interrogativas realizadas por falantes de Vitória da Conquista/BA

Juscelia Silva Novais Oliveira, Vera Pacheco, Marian Oliveira

Resumo


Este artigo trata de um estudo perceptivo de sentenças exclamativas e interrogativas de falantes conquistenses. O objetivo da pesquisa foi investigar o quanto de variação da F0 é necessária para se garantir a perceptibilidade de um determinado tipo de frase. Os dados foram submetidos a teste de percepção, à ANOVA de Kruskall-Wallis ao e a teste de regressão polinomial quadrática. Para o teste de percepção, alteramos de três maneiras distintas a F0 do componente tônico, aquele que possui a sílaba tônica saliente do enunciado. Os dados foram manipulados por meio do software PRAAT, onde a F0 foi modificada de forma a obter valores ascendentes e descendentes de 25, 50 e 75 em relação ao valor médio do sinal original no componente tônico. Os resultados evidenciaram que a F0 tem um papel relevante no desenvolvimento da percepção dos contornos melódicos. Considerando os princípios básicos da Teoria Quântica (STEVENS, 1972, 1989), podemos dizer que faixas de frequências específicas favorecem a percepção dos tipos entoacionais, constituindo, assim, regiões quânticas que definem padrões melódicos os quais contrastam exclamativas e interrogativas. Quando o sinal acústico não apresenta região quântica específica para o contraste de exclamativa e interrogativa, o processo de percepção desses tipos de orações é comprometido.

Palavras-chave


exclamativa; interrogativa; percepção

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-4876.2014v17n2p354



Signum: Estudos da Linguagem
Telefone: (43) 3371-4428
E-mail: signum@uel.br
ISSN: 2237-4876