Uma análise acústica das vogais orais, nasais e nasalizadas no dialeto de Vitória da Conquista-BA

Luiz Carlos da Silva Souza, Vera Pacheco

Resumo


Partindo do pressuposto de que, no Português do Brasil (PB), existem dois tipos de nasalidade vocálica, uma que é fonológica, representada pela estrutura /VN./, a vogal nasal, e outra fonética, ocasionada pela presença de uma consoante nasal, mas que não gera oposição na língua, a vogal nasalizada, este trabalho tem por objetivo discutir a natureza dessas vogais, comparando-as com as suas contrapartidas orais, a partir da análise acústica dos três primeiros formantes das vogais do triângulo vocálico, a, i e u, nas posições inicial, medial e final. Os resultados indicam que as vogais /aN/ e /ã/ apresentam comportamento mais delimitado em relação à sua contrapartida oral do que as outras vogais. A diferença entre as nasais e as nasalizadas não é clara, em se tratando de seus formantes orais. É necessário, portanto, investigar outros parâmetros acústicos, como os formantes nasais e os antiformantes, por exemplo, para que se possa traçar o padrão acústico desses sons.

Palavras-chave


Vogais nasais. Formantes. Acústica.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-4876.2012v15n2p401



Signum: Estudos da Linguagem
Telefone: (43) 3371-4428
E-mail: signum@uel.br
ISSN: 2237-4876