Vanguardas e revolução: a poesia concreta

Henrique Manuel Ávila

Resumo


Sem se dar conta do quanto de provinciano e de ressentido havia na sua atitude, o movimento brasileiro da poesia concreta pretendeu, nos anos cinqüenta, ter dado um salto qualitativo-revolucionário na evolução das formas da poesia ocidental, adiantando-se assim, em termos técnicos, aos grandes centros do poder cultural e econômico na Europa e nos Estados Unidos. Atacada pelos movimentos culturais de esquerda nos anos sessenta, a poesia concreta quis ainda impor a sua forma como o único modo eficiente de fazer revolução social através da arte. Mas, já nos anos oitenta, acabou por integrar-se na atmosfera pós-moderna de desencanto em relação as revoluções sociais e estéticas, o que equivale a reconhecer a debilidade das suas inovações formais e a insinceridade dos seus episódicos prop6sitos critico - sociais. O pouco que ficou de bom da poesia concreta tem sentido inegavelmente progressivo e convém agora uni-lo ao generoso sonho utópico que subjaz As aparentemente antiartísticas vanguardas do tipo do Centro Popular de Cultura (CPC).


Palavras-chave


Literatura brasileira; Vanguarda, Sociologia da literatura

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.1992v13n3p139

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar