Estudos epidemiológicos sobre Demodex canis em Londrina, PR

Odilon Vidotto, Ademir Benedito da Luz Pereira, Inácio Afonso Kroetz, Milton Histashi Yamamura, Eliane Cristina Palaoro Pereira, Marco Antonio Rocha

Resumo


Foram estudados 340 exames de raspado de pele de cães, no Laboratório de Parasitologia do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Estadual de Londrina, PR. Este material, foi colhido de cães com afecções de pele, atendidos no Hospital Veterinário desta Universidade e em clínicas particulares da região, e chegou ao laboratório para pesquisar presença de ectoparasitas, durante o período de janeiro de 1980 a dezembro de 1983. Do total de raspados (340) estudados, 96 (28,24%) apresentaram Oemodex canis , em quantidades e formas variáveis, apresentando relação clínica com a doença. O diagnóstico de sarna demodécica foi baseado na sintomatologia clínica e na presença do agente etiológico no raspado de pele, detectado através de microscopia direta em solução de hidróxido de Potássio (KOH) a 10%. Nas condições em. que foi realizado o presente estudo e baseado nos seus resultados, pode-se concluir que animais entre zero e doze meses de idade são mais susceptíveis; que a raça parece influenciar no aparecimento de sarna demodécica; que o sexo não influenciou na ocorrência de casos positivos, nos animais examinados; que não houve variação sazonal na distribuição dos casos de sarna demodécica.



Palavras-chave


Sarna demodécica; Demodex canis; Afecções da pele.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.1985v6n1p36

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar