Curva de sobrevivência à luz ultravioleta do azospirlllum brasilense (BEIJERIWCK, 1925)

Olivia Márcia Nagy Arantes

Resumo


Estudo do Azospirillum brasilense, bactéria fixadora de nitrogênio em gramíneas, com o objetivo de fornecer subsídios para estudos genéticos sobre o A. brasilense através da determinação da curva de sobrevivência do microrganismo à luz ultravioleta. Estabeleceu-se o tempo de exposição à radiação de 1 minuto e obteve-se uma taxa de 5% de sobreviventes, representando uma dose recomendável para a indução de mutações, desde que se expõe suficientemente o DNA da bactéria ao agente mutagênico, sem contudo reduzir drasticamente a população irradiada, o que tornaria muito baixa a frequência de mutantes após o tratamento.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.1982v3n10p103

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar