Estudo da expressão criativa da criança e do adolescente com câncer em casas de apoio

Maria Carmen Batista Bahia

Resumo


A partir da premissa de que “expressão” e o modo de manifestação e configuração, com ajuda instrumental, de sentimentos, de ações ou pensamentos, buscamos neste estudo, entender como o trabalho expressivo, com recursos artísticos, vem estabelecer um ponto de apoio no atendimento mais integral da criança e do adolescente com câncer, estimulando a continuidade de seu processo natural de desenvolvimento. Estabelecemos que as qualidades expressivas são seus meios de comunicação, prendem sua atenção, possibilitam o entendimento e a interpretação das experiências, bem como determinam os padrões formais por eles criados. A inserção da prática criativa, sob essas condições, pressupõe um encadeamento de atividades com a intenção de obter um resultado minimamente eficaz. Este estudo não visa a soluções, mas ao acompanhamento da experiência criativa com linguagens artísticas, escolhidas de acordo com a problemática da criança doente. O instrumento central da pesquisa foi um ateliê de arte – a oficina criativa – que serviu diretamente a grupos de crianças e adolescentes carentes e com câncer, que se encontravam hospedados em casas assistenciais de apoio localizadas na região de São Paulo. Seguimos algumas experimentações de campo, de onde obtivemos vários caminhos possíveis para a expressão gerada por recursos artísticos e de linguagem. Procuramos colher, em cada exemplo, aspectos dessa expressão e seus diferentes modos de manifestação no desenho, pintura, colagem e linguagem verbal. A idéia foi estruturar o trabalho, entrecruzando questões levantadas pela arte-educação e arte-terapia, explorando os diferentes aspectos, conceituais e concretos, que norteiam as alternativas metodológicas da prática criativa. Propomos, por fim, uma análise compreensiva, considerando os aspectos operacionais e motivadores do processo de criação encontrados nos recursos artísticos. Ao tentar entender as contribuições potenciais dos recursos artisticos no espaço do câncer infantil, buscamos considerar como a relação entre processo criativo e processo terapêutico pode ajudar a criança a melhorar sua qualidade de vida, no sentido mais lúdico de viver, apesar da doença.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2002v23n1p129

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar