Arte, brincadeira e transfiguração: análise de uma produção singular

Nathany Andrea Wagenheimer Belmaia, Marta Dantas

Resumo


As manifestações artísticas que comumente vemos são advindas de técnicas que vêm sendo transmitidas há centenas de anos. São poucos os que se esforçam por fazer algo inovador. Aqueles que se aventuram em uma criação original, podem encontrar dificuldade de aceitação de sua obra, ou, quando não raro, permanecer no anonimato. Este artigo visa a apresentar o resultado da pesquisa vinculada ao projeto “Infames, casos de singularidade histórica”. Esse projeto teve como intuito procurar produções singulares, dar espaço e voz a sujeitos que muitas vezes se quer tornam-se conhecidos. Em um trabalho de campo realizado em Londrina-PR, encontramos a obra de Douglas, que aqui foi analisada. Ele é um garoto que com quinze anos desenvolveu seu próprio método para fazer miniaturas tridimensionais em papel alumínio.

 

 


Palavras-chave


Brinquedo; Brinquedo artesanal; Arte bruta; Arte Naïf; Transfiguração.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2006v27n1p77

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar