As Estratégias de implantação do Sistema Único de Saúde como espaço sócio político de atuação do assistente social

Pâmela Migliorini Claudino da Silva, Íris Fenner Bertani

Resumo


A Política de Educação Permanente em Saúde constitui uma importante estratégia para transformar o modelo de assistência e reorganizar, em nosso país, os serviços de saúde, tradicionalmente curativos. Dentro dessa perspectiva, procuramos estudar o Programa de Saúde da Família (PSF) como uma política pública. Ao ser elaborado conforme os princípios da educação permanente, o programa deverá constituir uma ação indispensável para alcançar a humanização nos serviços públicos de saúde. Partindo do pressuposto de que o PSF transformou-se em uma das mais essenciais estratégias de reorientação do modelo de atenção básica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), tratamos da necessidade da superação da hierarquia – profissional da saúde/paciente – e a importância do controle social, para que suas ações focalizem, adequadamente, os problemas. Na expectativa de romper a visão fragmentada do usuário, apontamos como fundamental a prática da intersetorialidade entre as diversas políticas públicas, no sentido de superar o caráter assistencialista/curativo da nossa saúde. Para isso, discutimos a possibilidade de inserção do assistente social na equipe de saúde do PSF por ser profissional qualificado a empreender uma política educativa de enfrentamento da questão social.

 


Palavras-chave


Humanização; Saúde; Programa de Saúde da Família; Educação Permanente em Saúde; Serviço Social.

Texto completo:

Sem título


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2006v27n2p107

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar