O exame nacional do “bom” professor sob um olhar reflexivo

Raquel Silvano Almeida, Luciana Grandini Gonçalves Cabreira

Resumo


O que caracteriza um “bom” professor? Nasce-se? Torna-se? A ideia de professor como uma profissão vocacionada coloca em questão a formação docente que vem sendo tema de inúmeros estudos acerca dos cursos de graduação em Licenciatura disseminados pelo país. Rios (2001), quando propõe uma reflexão sobre um ensino de qualidade que ultrapasse a visão meramente técnica, lança um olhar à competência docente sob variados atributos que visam a um trabalho ético e competente. Mesmo considerando todas as competências conferidas ao “bom professor”, discutidas por autores como Duarte (2001), Rios (2001) e Facci (2004), o objetivo primeiro deste estudo será o de refletir sobre os atributos que vêm sendo considerados na proposta do exame nacional docente defendida pelo MEC/INEP, sendo nomeado por alguns autores como o “Enem dos professores”. Na análise do documento, encontramos uma série de valores que são atribuídos ao “bom” professor. Assim, adotando os pressupostos da abordagem qualitativa, por meio da técnica de pesquisa documental, serão levantadas questões sobre o que se pretende com este exame, considerando os aspectos que o documento atesta que caracterizam um “bom professor”. Dessa forma, este trabalho pretende contribuir para uma reflexão acerca do papel a ser desempenhado por aquele que se espera do “bom” professor, levando-se em consideração os apelos pragmáticos, instrumentais e mercadológicos presentes no discurso que se anuncia no documento analisado.

Palavras-chave


Bom Professor, Exame Nacional Docente, Enem dos Professores.

Texto completo:

PDF

Referências


BRUCE, B. C. Innovation and social change. In: BRUCE, B. C.; PEYTON, J. K.; BATSON, T. W. (org.). Network-based classrooms: promises and realities. New York, NY: Cambridge University Press, 1993.

CARDOSO, S. H. B. Discurso e ensino. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

DRUCKER, P. F. A sociedade pós-capitalista. 6. ed. São Paulo: Pioneira, 1997.

DUARTE, N. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vygotsky. São Paulo: Autores Associados, 2001.

FACCI, M. G. D. Valorização ou esvaziamento do trabalho do professor? Um estudo crítico-comparativo da teoria do professor reflexivo, do construtivismo e da psicologia vigotskiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

FORQUIN, J-C. Escola e cultura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

GIROUX, H. Os professores como intelectuais. Porto Alegre: Artmed, 1997.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Referenciais para o exame nacional de ingresso na carreira docente. Brasília, DF: INEP, 2010. Disponível em: http://consultaexamedocente.inep.gov.br. Acesso em: 15 jun. 2018.

JARETA, G. Mínimo denominador comum. Revista Educação, São Paulo, SP, 10 set. 2011. Disponível em: https://www.revistaeducacao.com.br/author/gabriel-jareta/page/5/. Acesso em: 15 jun. 2018.

KENSKI, V. M. O papel do professor na sociedade digital. In: CASTRO, A. D. de; CARVALHO, A. M. P. de (org.). Ensinar a ensinar. São Paulo: Thomson, 2001.

LARROSA, J. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Tradução de Alfredo Veiga-Neto. Porto Alegre: Contrabando, 1998.

LYOTARD, J. F. A condição pós-moderna. 8. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 2004.

MACHADO, L. A. A institucionalização da lógica das competências no Brasil. Pro- Posições, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 92-110, jan./abr. 2002.

MARTINS, J. C. Vygotsky e o papel das interações sociais na sala de aula: reconhecer e desvendar o mundo. 1997. online. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_28_p111-122_c.pdf. Acesso em: 2 out. 2018.

MOITA LOPES, L. P. da. Oficina de lingüística aplicada: a natureza social e educacional do processo de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1996.

NUNES, C. S. C.; MONTEIRO, A. L.; SANTOS, T. R. L.; TÁVORA, M. J. S.; CUNHA, E. R. A pedagogia das competências como política de formação de professores no Brasil. In: CONGRESSO INTERNACIONAL EDUCAÇÃO E TRABALHO, 2005, Aveiro, PT. Anais [...]. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2005. v. 1. Tema: Representações sociais, competências e trajectórias profissionais.

RIOS, T. A. Compreender e ensinar: por uma docência da melhor qualidade. São Paulo: Cortez, 2001.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

WIELEWICKI, V. H. G. Literatura e sala de aula: síncopes e contratempos: a agência discente e as literaturas de língua inglesa em cursos de licenciatura em letras. 242 f. Tese (Doutorado em Letras) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2019v40n2p183

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar