A mulher no telejornalismo esportivo: ponderações sobre o programa Globo Esporte São Paulo

Jéssica Beatriz Backer Gebhardt, Michele Negrini, Christian Dias Nunes

Resumo


O artigo tem como objetivo pesquisar a participação da mulher no telejornalismo esportivo, com foco no programa Globo Esporte São Paulo. Vamos analisar a relevância das matérias realizadas por jornalistas mulheres e verificar os valores notícia e critérios de noticiabilidade presentes em cada reportagem, fazendo um parâmetro comparativo com o que é apresentado por jornalistas homens, tendo como método a Análise de Conteúdo. Pretendemos retomar a história da mulher no telejornalismo e fazer uma análise histórica da mulher na sociedade. A questão de gênero também será abordada, assim como um breve histórico telejornalístico.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, E. F. de. Telejornalismo esportivo: a mulher no mundo do futebol. uma análise do Programa Globo Esporte Ceará. 2012. Monografia (Curso de Comunicação Social, Habilitação em Jornalismo) - Centro de Ensino Superior do Ceará, Faculdade Cearense, 2012. Disponível em: https://bit.ly/35rqUa6. Acesso em: 11 out. 2018.

BAGGIO, L. M. Representação da mulher no telejornalismo esportivo: a atuação da jornalista Renata Fan no Programa Jogo Aberto da Tv Bandeirantes. 2012. Trabalho Final de Graduação (Bacharelado em Jornalismo) - Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS, 2012. Disponível em: https://bit.ly/2shDAlT. Acesso em: 9 nov. 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BORELLI, V. O esporte como uma construção específica no campo jornalístico. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DA COMUNICAÇÃO, 25., Salvador, BA, 2002. Anais [...]. Salvador: INTERCOM, 2002. p. 1-22.

BRAVO, D. V. T. Elas assumiram o comando: as mulheres jornalistas no mundo do telejornalismo esportivo. 2009. Monografia (Graduação em Comunicação Social/Jornalismo) - Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, 2009. Disponível em: http://www.com.ufv.br/pdfs/tccs/2009/deborabravo.pdf. Acesso em: 22 out. 2018.

CARVALHO, D. J. A conquista da cidadania feminina. Saber Acadêmico: Revista Multidisciplinar da UNIESP, Presidente Prudente, SP, n. 11, p. 143-153, jun. 2011. Disponível em: http://www.uniesp.edu.br/revista/revista11/pdf/artigos/12.pdf. Acesso em: 29 nov. 2018.

COELHO, P. V. Jornalismo esportivo. São Paulo: Editora Contexto, 2003.

GOMES, R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M. C. de S. (org.). Pesquisa social: teoria método e criatividade. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

LIIDTKE, D. A imprensa de salto alto. 2012. Disponível em https://bit.ly/2OgC77O. Acesso em: 10 nov. 2018.

LORÊDO, J. Era uma vez... a televisão. São Paulo: Alegro, 2000.

MEMÓRIA GLOBO. Isabela Scalabrini. Rio de Janeiro, RJ: Globo Comunicações e Participações, 2013.

MOTTA, L. G. Teoria da notícia: as relações entre o real e o simbólico. In: MOUILLAUD, M.; PORTO, S. D. (org.). O jornal: da forma ao sentido. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.

NEGRINI, M.; BRANDALISE, R. Os critérios de noticiabilidade no telejornalismo: uma reflexão a partir da tragédia de Santa Maria. Revista Pauta Geral-Estudos em Jornalismo, Ponta Grossa, v. 2, n. 1, p. 74-90, jan./jun.2015. Disponível em: https://bit.ly/2XHCg7p. Acesso em: 29 nov. 2018.

OLIVEIRA. Ana Paula. A importância do papel da mulher na sociedade. 2006. Disponível em: https://bit.ly/37CIoSY. Acesso em 23 de novembro de 2019.

PATERNOSTRO, V. I. O texto na TV: manual de telejornalismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

PRIZIBISCZKI, C. Maria Helena Rangel: há 60 anos, a presença feminina no jornalismo esportivo tinha início. Portal Imprensa: Jornalismo e Comunicação na Web, São Paulo, SP, 9 ago. 2007. Disponível em: https://bit.ly/2shkDj9. Acesso em: 29 nov. 2018.

REZENDE, O. Conheça a trajetória da primeira jornalista de esportes do Brasil, Portal Mídia Esporte. 2014. Disponível em: https://bit.ly/2OiRaOo. Acesso em: 17 out. 2018.

RIBEIRO, A. Os donos do espetáculo: histórias da imprensa esportiva do Brasil. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2007.

RIXA. Almanaque da TV: 50 anos de memória e informação. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

ROCHA D.; ABREU, A. A. de (org.). Elas ocuparam as redações: depoimentos ao CPDOC. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

SCOTT, G. P. Mulher, corpo e credibilidade: um estudo cartográfico sobre as apresentadoras dos principais telejornais do país. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Comunicação Social: Habilitação em Jornalismo) - Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2013. Disponível em: https://bit.ly/34gi13a. Acesso em: 9 set. 2018.

SOUSA, L.-C. S. C. S. Cobertura esportiva na televisão: critérios de noticiabilidade na interface entre jornalismo e entretenimento. 2002. Disponível em: https://bit.ly/2XJTpgA. Acesso em: 14 set. 2018.

TRAQUINA, N. Teorias do jornalismo: porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, 2005. v. 1.

WOITOWICZ, K. J. Traços do feminismo na imprensa alternativa: as lutas das mulheres nos jornais Opinião, Movimento e Repórter nos anos 1970 no Brasil. In: VII SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 7., 2006, Florianópolis, SC. Florianópolis: Mulheres, 2006.p. 1-7. Tema: Gênero e preconceitos.

WOITOWICZ, K. J.; PEDRO, J. M. O movimento feminista durante a ditadura militar no Brasil e no Chile: conjugando as lutas pela democracia política com o direito ao corpo. Espaço Plural, Marechal Cândido Rondon, v. 2, p. 43-55, 2009.

WOLF, M. Teorias da comunicação. Lisboa: Editorial Presença, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2019v40n2p239

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar