Pesquisa-experiência em educação ambiental: exercícios (eco)lógicos para gestão dos resíduos

Daniel Dall'Igna Ecker

Resumo


O presente texto compartilha o resultado de uma pesquisa-experiência sobre exercícios (eco)lógicos possíveis de autoeducação ambiental, para gestão dos resíduos humanos. Com foco na transformação do pesquisador e de sua relação com a gestão de resíduos, baseou-se em três etapas: observações sistemáticas em uma avenida da cidade de Porto Alegre e em uma universidade privada; busca de informações sobre a gestão de resíduos na internet (plataforma Google) e em uma biblioteca universitária; imersão do pesquisador em uma associação de separação do lixo e realização de entrevista com a responsável pelo local. Inspirada em produções de conhecimento Pós-estruturalistas, a noção de pesquisa-experiência emerge enquanto possibilidade de tatear elementos e fabricar objetos para o pensamento, neste caso, como via de autotransformação do pesquisador na sua relação com a gestão de resíduos. Como resultado, fora possível articular a vivência da experiência com a pesquisa sobre o meio ambiente, refletindo sobre os paradigmas educativo-ambientais e as ideologias de consumo e individualismo que permeiam o cotidiano humano. Através de elementos emergentes no campo da pesquisa, colocou-se em análise a educação ambiental, considerando-a via de transformação das (eco)lógicas cotidianas, alguns de seus impasses, como os aspectos subjetivos ou estruturais que envolvem uma autoeducação ambiental.

Palavras-chave


Pesquisa-experiência; Educação ambiental; Lixo; Gestão de resíduos.

Texto completo:

PDF

Referências


BRITO, A. Observação directa e sistemática do comportamento. Lisboa: Edições FMH, 1994.

DIAS, G. F. Pegada ecológica e sustentabilidade humana. São Paulo: Gaia, 2002.

ECKER, D. D. Direitos sociais e acompanhamento terapêutico: problematizações através de desenhos. Aurora: revista de arte, mídia e política, São Paulo, v.11, n.32, p. 95-109, jun./set. 2018.

Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/aurora/arti cle/view/31984/26874. Acesso em: 20 nov. 2018.

EKINS, P. Uma noção subversiva. O Correio da Unesco, Rio de Janeiro, v. 26, n. 3, p: 6-9, 1998.

FOUCAULT, M. Poder e saber. In: FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos: estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006, p. 223 – 241. v. 5.

GRÜN, M. Ética e educação ambiental: a conexão necessária. 9. ed. São Paulo: Papirus, 2005.

GUARESCHI, N. M.; GUARESCHI, N. M. F.; REIS, C.; ECKER, D. D.; MACHRY, D. S. F. Formação em psicologia: o princípio da integralidade e a teoria da autopoiese. Revista Psicologia e Saúde, Campo Grande, v. 6, n. 1, p. 18-27, jun. 2014. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-093 X2014000100004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 20 nov. 2018.

UMA VERDADE inconveniente. Direção: Davis Gugenheim. EUA: Paramount Pictures, 2006. Longa-metragem (100 min.), color.

HARTMANN, V. M. Memórias na sustentabilidade das águas do Rio M’Boicy. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialista em Educação Ambiental) - Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal da Integração Latinoamericana, Foz do Iguaçu, 2017.

HÜNING, S.; SCISLESKI, A. Ressonâncias de uma epistemologia crítica foucaultiana em psicologia social. Psicologia & Sociedade, v. 30, n. 1, 2018.

LAYRARGUES, P.P; CASTRO, R. S. (org.). Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2005.

LÉVI-STRAUSS, C. De perto e de longe. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

LIPOVETSKY, G. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Editora Barcarolla, 2005.

ONG LIXO CONSULTING. Rio de Janeiro: RJ. 2007. Disponível em: http://www.lixo.com.br. Acesso em: 20 nov. 2018.

MARTELL, L. Ecology and society: an introduction. Cambridge: Polity Press, 1994.

POZO, J. I. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem. Porto Alegre: ArtMed, 2002.

SOFFIATI, A. Fundamentos filosóficos e históricos para o exercício da ecocidadania e da ecoeducação. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. (org.). Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

TAVARES, C; FREIRE, I. M. Lugar do lixo é no lixo: estudo de assimilação da informação. Ciência da Informação, Brasília, v.32, n. 2, p. 125-135, maio/ago. 2003. Disponível em: http://re vista.ibict.br/ciinf/article/view/1012. Acesso em: 22 nov. 2018.

TORRES, S.; GUARESCHI, P. A.; ECKER, D. D. O teatro de rua como via política de mídia radical. Argum, Vitória, v. 9, n. 2, p. 120-132, maio/ago. 2017. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/15423/11900. Acesso em: 22 nov. 2018.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2019v40n2p167

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar