Elos entre a psicologia e o trabalho humanizado na saúde: compreensão, formação e práticas

Daren Priscila Tashima Cid, Maiango Dias, Miria Benincasa, Maria Do Carmo Fernandes Martins

Resumo


A partir do contexto da Política Nacional de Humanização (PNH) do Sistema Único de Saúde, este estudo teve o objetivo de identificar as principais contribuições e as relações teórico-metodológicas da Psicologia para as práticas humanizadas na saúde, na literatura brasileira. Para tanto, foram identificados e analisados, de forma sistemática, artigos completos, publicados em português a partir de 2008, na principal base de dados da área. Após os procedimentos de análise, os resultados reuniram as publicações, oriundas da psicologia e de áreas afins, em três categorias principais: (a) formação profissional, (b) percepções, vivências e sentimentos dos profissionais e (c) características, práticas e representações sociais da atividade. A maioria dos artigos, nas três categorias, critica as perspectivas tradicionais de saúde e clama por mais recursos formativos para os profissionais de saúde, que têm encontrado dificuldades em seus campos de atuação profissional para atingir os modelos preconizados pela (PNH). Do ponto de vista da Psicologia, identificou-se o peso de fenômenos como a empatia e a valorização dos sentimentos e emoções dos pacientes e familiares como ponto central da prática humanizada. Os autores identificaram lacunas e sugerem novos campos para pesquisa e possibilidades de intervenção na área.

Palavras-chave


Humanização; Trabalho humanizado; Psicologia e humanização.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, N. M. C.; ARRAIS, A. R. O pré-natal psicológico como programa de prevenção à depressão pós-parto. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 36, n. 4, p. 847-863, dez. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703001382014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932016000400847&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 fev. 2019.

ALVES, A. N. O.; REIS, C.; MOREIRA, S. N. T.; AZEVEDO, G. D.; ROCHA, V. M.; VILAR, M. J. A humanização e a formação médica na perspectiva dos estudantes de medicina da UFRN-Natal-RN. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 33, n. 4, p. 555-561, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbem/v33n4/v33n4a06.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

BAETA-NEVES, C. A.; HECKERT, A. L. C. Micropolítica do processo de acolhimento em saúde. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, abr. 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812010000100011&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 24 fev. 2019.

BENEVIDES, R. A psicologia e o Sistema Único de Saúde: quais interfaces? Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, MG, v. 17, n. 2, p. 21-25, 2005. Disponível em: www.redalyc.org/articulo.oa?id=309323899004. Acesso em: 24 fev. 2019.

BENEVIDES-PEREIRA, A. M.; GONÇALVES, M. B. Transtornos emocionais e a formação em Medicina: um estudo longitudinal. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 33, n. 1, p. 20-23, 2009. Disponível em: www.scielo.br/pdf/rbem/v33n1/03.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. O SUS de A a Z: garantindo saúde nos municípios. 3. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2015. (Cadernos humanizaSUS, v. 5). Disponível em: http://redehumanizasus.net/wp-content/uploads/2017/09/Cadernos-HumanizaSUS-Volume-5-Saude-Mental.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção hospitalar. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2011. (Cadernos humanizaSUS, v. 3). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_humanizasus_atencao_hospitalar.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Formação e intervenção. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2010a. (Cadernos humanizaSUS, v. 1). Disponível em: http://redehumanizasus.net/wp-content/uploads/2017/09/Cadernos-HumanizaSUS-Volume-1-Formac%CC%A7a%CC%83o-e-Intervenc%CC%A7o%CC%83es-1.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: política nacional de humanização: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizaSus_doc_base.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: política nacional de humanização: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2003. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizaSus.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Universidade Estadual do Ceará. Atenção básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2010b. (Cadernos humanizaSUS, v. 2). Disponível em: http://redehumanizasus.net/wp-content/uploads/2017/09/Cadernos-HumanizaSUS-Volume-2-Atenc%CC%A7a%CC%83o-Ba%CC%81sica-1.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Universidade Estadual do Ceará. Humanização do parto e do nascimento. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2014. (Cadernos humanizaSUS, v. 4). Disponível em: http://redehumanizasus.net/wp-content/uploads/2017/09/Cadernos-HumanizaSUS-Volume-4-Humanizac%CC%A7a%CC%83o-do-Parto-e-do-Nascimento-.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

CAMPONOGARA, S.; VIERO, C.; PINNO, C.; SOARES, S.; RODRIGUES, I.; CIELO, C. Percepções de pacientes pós-alta da unidade de cuidados intensivos sobre a hospitalização nesse setor. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro. Chanadour Divinópolis, MG, v. 5, n. 1, p. 1505-1513, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v0i0.747. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/747. Acesso em: 24 fev. 2019.

CAMPOS, D.; SANTOS, M. Sentimentos vivenciados por fisioterapeutas no atendimento a pessoas com paralisia cerebral. Psico-USF, Itatiba, v. 14, n. 2, p. 229-236, 2009. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712009000200012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-82712009000200012&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 fev. 2019.

CAMPOS, G. W. S. O anti-Taylor: sobre a invenção de um método para co-governar instituições de saúde produzindo liberdade e compromisso. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, p. 863-870, 1998. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csp/1998.v14n4/863-870/. Acesso em: 24 fev. 2019.

CARDOSO, C. M. C. C.; MARION, D.; WICHMANN, F. M. A.; LUZZI, G.; BENITEZ, L.; FRANCO, M.; ROOS, N.; AREOSA, S.; BRANDT, T. Atendimento à unidade familiar do idoso: experiência multidisciplinar. Estudos Interdisciplinares do Envelhecimento, Porto Alegre, RS, v. 16, p. 385-394, 2011. Disponível em: seer.ufrgs.br/RevEnvelhecer/article/view/17918. Acesso em: 24 fev. 2019.

CASSOLI, T. Humanização, psicologia e riso: produção de liberdade e processos de subjetivação. Revista Polis e Psique, Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 109-133, jul. 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2238-152X2016000200007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 24 fev. 2019.

CHIBANTE, C. L. P.; ESPÍRITO-SANTO, F.; OLIVEIRA-AQUINO, A. As reações do familiar acompanhante de idosos hospitalizados frente às situações de estresse. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 2961-2973, 2015. DOI: 10.9789/2175-5361.2015.v7i3.2961-2973. Disponível em: http://www.uacm.kirj.redalyc.redalyc.org/articulo.oa?id=505750947023. Acesso em: 24 fev. 2019.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA - CFP. Como a psicologia pode contribuir para o avanço do SUS: orientações para gestores. Brasília, DF, 2013. Disponível em: https://observatorio03cartilhasaude.wordpress.com/2013/07/29/como-a-psicologia-pode-contribuir-para-o-avanco-do-sus/. Acesso em: 24 fev. 2019.

CUNHA, A. C. B.; BENEVIDES, J. Prática do psicólogo em intervenção precoce na saúde materno-infantil. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 17, n. 1, p. 111-119, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-73722012000100013&script=sci_arttext. Acesso em: 24 fev. 2019.

DETOMINIA, V. C.; BELLENZANI, R. Construindo a participação social junto a usuários de um grupo de apoio: desafios para a qualificação da atenção em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, São Carlos, SP, v. 23, n. 3, p. 661-672, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/0104-4931.ctoRE0578. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/1093. Acesso em: 24 fev. 2019.

DORICCI, G. C.; GUANAES-LORENZI, C.; PEREIRA, M. J. B. Programa articuladores da atenção básica: construindo humanização através do diálogo. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 26, n. 4, p. 1271-1292, out. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312016000400011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312016000401271&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 fev. 2019.

DUARTE, D. A. A supervisão enquanto dispositivo: narrativa docente do estágio profissional em psicologia do trabalho. Interface, Botucatu, v. 19, n. 52, p. 133-144, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832015000100133&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 24 fev. 2019.

EULÁLIO, M.C.; SANTOS, E. R. F.; ALBUQUERQUE, T. P. Representações sociais da relação auxiliar de enfermagem-usuário no contexto do programa saúde da família. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 3, n. 4, p. 708-715, 2009. Disponível em: seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/13150. Acesso em: 24 fev. 2019.

GELMAN, E. A.; REIS, K. C.; MATOS, R. L.; DAHIA, S. N. O. Educação na saúde e autogestão de coletivos: da incerteza da prática da autoanálise do trabalho em saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, BA, v. 33, n. 1, p. 75-85, 2009. Disponível em: http://inseer.ibict.br/rbsp/index.php/rbsp/article/viewFile/191/pdf8. Acesso em: 24 fev. 2019.

GONZE, G. G.; SILVA, G. A. A integralidade na formação dos profissionais de saúde: tecendo valores. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 21, n. 1, p. 129-146, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312011000100008. Acesso em: 24 fev. 2019.

GUARESCHI, N. M. F.; REIS, C.; DHEIN, G.; BENNEMANN, T.; SANTO, D. A avaliação psicológica, psicopatologia e as psicoterapias na formação do profissional de saúde para o SUS: um estudo dos currículos dos cursos de Psicologia. Revista Mal-estar e Subjetividade, Fortaleza, CE: v. 11, n. 1, p. 171-204, 2011. Disponível em: www.redalyc.org/articulo.oa?id=27121482007. Acesso em: 24 fev. 2019.

HERMES, H. R; LAMARCA, I. Cuidados paliativos: uma abordagem a partir das categorias profissionais da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, RJ, v. 18, n. 9, p. 2557-2588, 2013. Disponível em: www.scielo.br/pdf/csc/v18n9/v18n9a12.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

INNOCENCIO, M.; CARRARO, G.; INNOCENCIO, T. Resposta emocional de pacientes à terapia com música na hemodiálise: uma ferramenta de humanização. Arte Médica Ampliada, São Paulo, SP, v. 37, n. 1, p. 5-11, 2017. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/12/876151/37-1-resposta-emocional-de-pacientes-a-terapia-com-musica-na-he_2jsWjo3.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

KANAI, K.; FIDELIS, W. Conhecimento e percepção da equipe de enfermagem em relação à dor na criança internada. Revista Dor: Pesquisa, Clínica e Terapêutica, v. 11, n. 1, p. 20- 27, 2010. Disponível em: files.bvs.br/upload/S/1806-0013/2010/v11n1/a1495.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

MAGALHAES, P. M.; FERIOTTI, M. L. Atenção ao vínculo em neonatologia: Grupos Balint-Paideia - uma estratégia para lidar com a dor e a incerteza em situações-limite. Vínculo, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 20-30, dez. 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-24902015000200004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 24 fev. 2019.

MARTINS, J. J.; SHNEIDER, D. G.; BUNN, K. R.; GOULART, C. A.; SILVA, R. M. S.; GAMA, F. O.; ALBUQUERQUE, G. L. A percepção da equipe de saúde e do idoso hospitalizado em relação ao cuidado humanizado. Arquivos Catarinenses de Medicina, Florianópolis, SC, v. 37, n. 1, p. 30- 37, 2008. Disponível em: www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/532.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

MELO, L.; MELO, L.; BOMFIM, A.; FERREIRA, A.; SILVA, L.; BEZERRA, M. A brinquedoteca na assistência a crianças com câncer: a visão dos familiares. Revista Ciência Plural, Natal, RN, v. 2, n. 3, p. 97-110, 14 abr. 2016. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/11225. Acesso em: 24 fev. 2019.

QUEIROZ, A. H. A. B.; PONTES, R. J. S.; SOUZA, A. M. A.; RODRIGUES, T. B. Percepção de familiares e profissionais de saúde sobre os cuidados no final da vida no âmbito da atenção primária à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, RJ, v. 18, n. 9, p. 2615-2623, 2013. Disponível em: www.scielo.br/pdf/csc/v18n9/v18n9a16.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

REIS, L. A.; SILVA, E. F.; WATERKEMPER, R.; LORENZINI, E.; CECCHETTO, F. H. Percepção da equipe de enfermagem sobre humanização em unidade de tratamento intensivo neonatal e pediátrica. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 118-124, 2013. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/26556/26046 . Acesso em: 24 fev. 2019.

ROMERO, N. S.; PEREIRA-SILVA, N. L. O psicólogo no processo de intervenção da política nacional de humanização. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, MG, v. 23, n. 2, p. 332-339, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822011000200014. Acesso em: 24 fev. 2019.

SALOMÉ, G.; ESPÓSITO, V. H. C. Vivências de acadêmicos de enfermagem durante o cuidado prestado às pessoas com feridas. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, v. 61, n. 6, p. 822-827, 2008. Disponível em: www.scielo.br/pdf/reben/v61n6/a05v61n6. Acesso em: 24 fev. 2019.

SOUSA, K.; CARPIGIANI, B. Ditos, não ditos e entreditos: a comunicação em cuidados paliativos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, DF, v. 12 n. 1, p. 97-108, 2010. Disponível em: editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/viewFile/2466/2331. Acesso em: 24 fev. 2019.

ZAMBENEDETTI, G.; PICCININI, C.; SALES, A. L. L.; PAULON, S. M.; SILVA, R. A.; BENEVIDES, R. Psicologia e análise institucional: contribuições para os processos formativos dos agentes comunitários de saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 34, n. 3, p. 690-703, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932014000300690&script=sci_arttext. Acesso em: 24 fev. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2019v40n1p5

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar