Demandas a um CAPSI: o que nos dizem os responsáveis por crianças e adolescentes em situação de sofrimento psicossocial

Cecília Maria Rocha Ribeiro, Lilian Miranda

Resumo


Os Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenil (CAPSi) têm por missão oferecer atenção integral a crianças e adolescentes em sofrimento psíquico, bem como realizar a gestão das diferentes demandas relacionadas a seu território de adscrição. Este artigo possui como objetivo geral compreender quais são as demandas que os responsáveis por crianças e adolescentes endereçam ao CAPSi. Utilizou-se o método qualitativo, desenvolvido através de entrevistas em grupo com dezenove responsáveis pelos usuários do CAPSi estudado. Tratado através de análise temática, os resultados foram agrupados em quatro categorias: percepções e modos de lidar com os problemas das crianças e dos adolescentes; modos de nomeação/apreensão dos problemas: o predomínio do diagnóstico; o acesso ao CAPSi; o CAPSi na visão dos usuários: (des)contentamentos com a instituição. Identificou-se dificuldades dos responsáveis para nomear e compreender certos comportamentos de seus filhos, além de desconhecimento do CAPSi ou da possibilidade de acessá-lo para início de tratamento. Observou-se a necessidade da oferta de espaços de acolhimento e elaboração do sofrimento para os responsáveis. Destacou-se a imprescindibilidade de um trabalho territorializado e colaborativo entre profissionais de diferentes pontos de atenção, essencial para que o CAPSi possa gerenciar seu território, legitimando-se como referência para o cuidado a situações de sofrimento psicossocial.

Palavras-chave


Acolhimento; Familiares; Infantojuvenil; Saúde mental.

Texto completo:

PDF

Referências


AMSTALDEN, A. L. F.; HOFFMANN, M. C. C. L.; MONTEIRO, T. P. M. A política de saúde mental infanto-juvenil: seus percursos e desafios. In: LAURIDSEN-RIBEIRO, E.; TANAKA, O. Y. (org.). Atenção em saúde mental para crianças e adolescentes no SUS. São Paulo: Hucitec, 2010. p. 33-45.

BASAGLIA, F. A instituição negada. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BELTRAME, M. M.; BOARINI, M. L. Saúde mental e infância: reflexões sobre a demanda escolar de um CAPSi. Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 33, n. 2, p. 336-349, 2013.

BERNARDINO, L. M. F. Das razões para indicar uma abordagem clínica no campo da psicopatologia da criança. Revista da Associação Psicanalítica de Curitiba, Curitiba, n. 26, p. 137-148, jun. 2013.

BRANDÃO JUNIOR, P. M. C. Um bebê no CAPSI: uma clínica possível. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 345-355, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Acolhimento á demanda espontânea. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. (Cadernos de atenção básica, n. 28).

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

CAMARGO JUNIOR, K. R. As armadilhas da “concepção positiva de saúde”. Physis: revista saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 76, n. 1, p. 63-76, 2007.

CAMPELO, L. L. C. R.; COSTA, S. M. E.; COLVERO, L. D. Dificuldades das famílias no cuidado à criança e ao adolescente com transtorno mental: uma revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 48, p. 192-198, 2014.

CAMPOS, C. M. S.; BATAIERO, M. O. Necessidades de saúde: uma análise da produção científica brasileira de 1990 a 2004. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 11, n. 23, p. 605-618, set./dez. 2007.

CAMPOS, G. W. S.; DOMITTI, A. C. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 399-407, 2007.

CAVALCANTE, C. M.; JORGE, M. S. B.; SANTOS, D. C. M. Onde está a criança? desafios e obstáculos ao apoio matricial de crianças com problemas de saúde mental. Physis: revista de saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 161-178, 2012.

CECILIO, L. C. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. 4. ed. Rio de Janeiro: IMS-UERJ: Cepesc: Abrasco, 2006.

COUTO, M. C. V. Por uma política pública de saúde mental para crianças e adolescentes. In: FERREIRA, T. (org.). A criança e a saúde mental: enlaces entre a clínica e a política. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 61-72.

COUTO, M. C. V.; DELGADO, P. G. G. Intersetorialidade: exigência da clínica com crianças na atenção psicossocial. In: LAURIDSEN-RIBEIRO, E.; TANAKA, O. Y. (ed.). Atenção em saúde mental para crianças e adolescentes no SUS. São Paulo: Hucitec, 2010. p. 271-279.

COUTO, M. C. V.; DUARTE, C. S.; DELGADO, P. G. G. A saúde mental infantil na saúde pública brasileira: situação atual e desafios. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 30, n. 4, p. 384-389, 2008.

DECOTELLI, K. M.; BOHRE, L. C. T.; BICALHO, P. P. G. A droga da obediência: medicalização, infância e biopoder – notas sobre clínica e política. Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 33, n. 2, p. 446-459, 2013.

DELGADO, P. G. Instituir a desinstitucionalização: o papel das residências terapêuticas na Reforma Psiquiátrica. Cadernos IPUB, Rio de Janeiro, v. 12, n. 22, p. 19-33, 2006.

FOUCAULT, M. História da loucura na Idade Clássica. [S. l.: s. n.], 1995.

FRANCES, A. Voltando ao normal. Rio de Janeiro: Versal Editores, 2016.

GUERRA, A. M. C. A psicanálise no campo da saúde mental infanto-juvenil. Psychê, São Paulo, v. 9, n. 15, p. 139-154, 2005.

JUNGES, J. R et al. O discurso dos profissionais sobre a demanda e a humanização. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 686-697, 2012.

LEAL, E.; DELGADO, P. G. G. Clínica e cotidiano: o CAPS como dispositivo de desinstitucionalização. In: PINHEIRO, R.; GULHOR, A. P.; SILVA JUNIOR, A. G.; MATTOS, R. A.. (org.). Desinstitucionalização na saúde mental: contribuições para estudos avaliativos. Rio de Janeiro: Cepesc, 2007. p.137-154.

LIMA, E. M. F. A.; YASUI, S. Territórios e sentidos: espaço, cultura, subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde Em Debate, Rio de Janeiro, v. 38, p. 593-606, 2014.

LUZIO, C. A.; L’ABBATE, S. A atenção em saúde mental em municípios de pequeno e médio portes: ressonâncias da reforma psiquiátrica. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 105-116, 2009.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

ONOCKO-CAMPOS, R. T. Fale com eles! O trabalho interpretativo e a produção de consenso na pesquisa qualitativa em saúde: inovações a partir de desenhos participativos. Physis, Rio de Janeiro, v. 21, p. 1269-1286, 2011.

PEREIRA, Z. U. Notas sobre o psicólogo e o centro de atenção infanto-juvenil. In: FERREIRA, T.; BONTEMPO, V. L. (org.). Crianças e adolescentes: o cuidado em saúde mental o trabalho feito por muitos. Curitiba: Crv, 2012. p. 230.

PINHEIRO, R. As práticas do cotidiano na relação oferta e demanda dos serviços de saúde: um campo de estudo e construção de integralidade. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ: Abrasco, 2001. p. 65-112.

PINHEIRO, R.; GUIZARDI, F. L.; MACHADO, F. R. S; GOMES, R. S. Demanda em saúde e direito à saúde: liberdade ou necessidade? algumas considerações sobre os nexos constituintes das práticas de integralidade. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (org.). Construção social da demanda. Rio de Janeiro: UERJ: Abrasco, 2010. p. 13-33.

RANNA, W. A saúde mental da criança na atenção básica. detecção e intervenção a partir do programa de saúde da família e o apoio matricial. In: LAURIDSEN-RIBEIRO, E.; TANAKA, O. Y. (org.). Atenção em saúde mental para crianças e adolescentes no SUS. São Paulo: Hucitec, 2010. p. 170-185.

SCHMIDT, M. B; FIGUEIREDO, N. A. Acesso, acolhimento e acompanhamento: três desafios para o cotidiano da clínica e saúde mental. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 130-40, 2009.

TEIXEIRA, M. R. Articulação entre e centro de atenção psicossocial para crianças e adolescentes e a atenção básica de saúde no marco do território: estudo exploratório qualitativo. 2015. Dissertação (Mestrado em Psiquiatria e Saúde Mental) - Instituto de Psiquiatria, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

TEIXEIRA, M. R.; COUTO, M. C. V.; DELGADO, P. G. G. Atenção básica e cuidado colaborativo na atenção psicossocial de crianças e adolescentes: facilitadores e barreiras. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, p. 1933-1942, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2019v40n1p43

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar