Metodologia IRDI nas creches: relato de experiência na rede pública e privada

Ana Paula Magosso Cavaggioni, Michelle Cristine Tomaz de Oliveira, Miria Benincasa

Resumo


Houve um aumento significativo no número de crianças de 0 a 3 anos que frequentam Centros de Educação Infantil (CEIs), o que torna fundamental a análise das consequências da coletivização precoce no desenvolvimento subjetivo das crianças. Este artigo descreve a experiência de acompanhamento de educadoras de bebês de 0 a 18 meses de idade, a partir da metodologia IRDI, realizada em dois CEIs: um da rede conveniada e outro da rede privada. O objetivo foi observar o impacto das diferenças encontradas nestas instituições em relação ao ambiente e ao cuidado com os bebês em seu desenvolvimento psíquico. Este artigo é um recorte da pesquisa Metodologia IRDI: uma intervenção com educadores a partir da psicanálise, desenvolvida em 2012 e 2013. Analisaram-se os IRDIs iniciais e finais de 17 crianças acompanhadas nessas instituições, bem como o resultado da Avaliação Psicanalítica aos 3 anos (AP3), articulando estes dados com as diferenças observadas nas duas instituições.

Palavras-chave


Creche; IRDI; Desenvolvimento infantil; Psicanálise.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2018v39n1p5

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar