Relações de subordinação em repúblicas universitárias de Ouro Preto

Carolina Macha do Saraiva de Albuquerque Maranhão, Talita Almeida Fernandes, André Felipe Vieira Colares

Resumo


O objetivo deste trabalho é analisar, à luz das contribuições se Georg Simmel, como as repúblicas universitárias na cidade de Ouro Preto se organizam a partir das relações de poder e subordinação entre os alunos calouros e os alunos veteranos. Tradicionalmente denominados por “bixos”, em Ouro Preto, os calouros passam por “batalhas” para serem aceitos em repúblicas, tanto particulares quanto federais. O processo de coleta de dados deu-se por meio da triangulação das seguintes técnicas: entrevistas semiestruturadas realizadas com quatorze acadêmicos de repúblicas federais, na cidade de Ouro Preto; observação não participante e análise documental. Os dados coletados foram tratados com base na técnica de análise de conteúdo (BARDIN, 1977). O que se observa é que, diferentemente das organizações empresariais, as relações de subordinação (e poder) não se fazem tão descompensadas – talvez, pelo fluxo constante das repúblicas e a rotatividade de seus membros.

Palavras-chave


Repúblicas universitárias de Ouro Preto; Relações de poder. Subordinação; Georg Simmel

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2017v38n2p189

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar