Capoeira Angola e suas relações com o mito da democracia racial brasileira

Gabriela Balaguer

Resumo


A capoeira é manifestação cultural largamente conhecida pelos brasileiros e estrangeiros, como parte da cultura e identidade brasileiras. Entretanto, sendo cultura popular negra deve ser compreendida na sua relação com a cultura dominante, em que estão presentes elementos de resistência e consentimento (HALL, 2013). No século XIX e início do XX, a capoeira foi intensamente reprimida pelo Estado, afastando racial e etnicamente o negro da construção da identidade nacional (REIS, 2000). Na década de 30, uma nova narrativa de identidade brasileira, conhecida como democracia racial brasileira, valorizou a integração cultural e biológica das três raças no Brasil (SCHWARZ, 2012; MUNANGA, 1996). Junto às outras manifestações culturais e religiosas, a capoeira é valorizada e integrada ao Estado (PIRES, 2010). O texto pretende trazer apontamentos para se reavaliar o modo de relacionamento da capoeira angola com as questões raciais e étnicas, a partir do questionamento do mito da democracia racial e das contribuições dos estudos culturais (MUNANGA, 1996; CARONE; BENTO, 2002; HALL, 2013).

Palavras-chave


Cultura popular; Capoeira; Democracia racial.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2016v37n2p133

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar