Uma escola sem partido: dicursividade, currículos e movimentos sociais

Fabiana Aparecida de Carvalho, Alexandre Luiz Polizel, Eliane Rose Maio

Resumo


Este ensaio objetiva problematizar o movimento Escola Sem Partido (ESP) e seus atravessamentos, como gerador de efeitos, junto aos currículos escolares. Como movimento social, o ESP atua nos domínios da escola e do currículo implementando uma pedagogia cultural e estratégias biopolíticas que excluem as diferenças nesses contextos. Trata-se de uma estratégia de vigilância, coerção e proibição que nega certas discussões e posicionamentos na escola. O movimento tem ganhado espaço em projetos de leis que intensificam essa vigilância por sobre os educadores e alunos. Destacamos alguns enunciados discursivos do movimento que discutem a sua insurgência em meio às políticas nacionais; como ele se caracteriza em um dispositivo constitutivo e gerador de efeitos por sobre as identidades escolares; como cria um fluxo discursivo que poderá atravessar modos de ver e pensar a educação, a docência, os alunos, o posicionamento dos pais para com a escola e as identidades dentro desse território.

Palavras-chave


Escola sem Partico; Currículo; Discursos; Biopolítica; Movimento Social.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2016v37n2p193

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar