Representações sociais sobre a Aids entre jovens rurais e urbanos de Minas Gerais

Margarete Moreira Coutinho e Silva, Sheila Maria Doula

Resumo


O artigo analisa as representações de jovens rurais e urbanos sobre a Aids, verificando se a intensificação da relação cidade/campo, com a crescente facilidade dos acessos entre ambos os espaços, resulta em homogeneização simbólica sobre a doença. Esta aproximação, principalmente facilitada pelo avanço da tecnologia e de trânsito físico, vem proporcionando aos jovens rurais a recepção de informações que os colocam em consonância de atitudes e vulnerabilidades em relação aos jovens urbanos. Participaram da pesquisa 131 jovens estudantes do Curso Técnico em Agropecuária do IF Sudeste de Minas Gerais – Campus Barbacena, dentre eles 40 residentes na zona rural. Aponta, o estudo, para o fato de que os jovens pressupõem ter conhecimento sobre a Aids, porém as respostas dadas aos questionários denunciam a alta condição de vulnerabilidade à doença. A análise, orientada pelas teorias das representações sociais, permite constatar que estereótipos sobre as doenças permanecem incutidos no campo simbólico, também colaborando para a convergência de opiniões e condutas.

Palavras-chave


Aids; Representações Sociais; Juventude.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2014v35n2p77

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar