Políticas Educacionais e novas Tecnologias: um Desafio do Século XXI

Amábile Piacentine Drogui, Vera Lúcia Lopes Cristovão

Resumo


Atualmente, há muitos recursos tecnológicos que possibilitam a interação e o desenvolvimento de processos de aprendizagem de línguas estrangeiras: ferramentas que podem ser utilizadas por professores e alunos na construção do conhecimento. Não é raro o discurso de que os professores precisam atualizar-se, de que necessitam ir além da lousa e do giz e que se fazem necessários o letramento digital e a preparação para uma era tecnológica. Nosso objetivo, com esta pesquisa, é verificar que políticas educacionais estão sendo implementadas nas escolas nesse sentido, como se realiza a formação inicial e continuada dos professores de Línguas Estrangeiras (LE), para uso pedagógico das novas tecnologias, e que investimentos são feitos nos recursos didático-tecnológicos das escolas. Os estudos de Araújo (2007), Araújo e Dieb (2009), Marcuschi e Xavier (2010), Souza-Lima (2010) e Gomes (2012) formam o aporte teórico principal de nosso trabalho.  Para a análise, coletamos, por meio de questionário, contribuições de professores de línguas estrangeiras de diferentes escolas públicas do Núcleo Regional de Ensino de Apucarana – PR. As vozes desses professores nos dão base para uma rica reflexão sobre as contradições existentes entre o que propõem as diretrizes curriculares e as condições oferecidas para cumpri-las.


Palavras-chave


Novas Tecnologias; Políticas Educacionais; Formação docente

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2012v33n1p17

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar