Clarice Lispector e a contracena da História em A hora da estrela

Isabel Virginia de Alencar Pires

Resumo


Este artigo aborda o livro A hora da estrela, de Clarice Lispector, à luz dos pressupostos da Teoria da Recepção, de Jauss, que leva em conta o contexto histórico nas análises literárias. Publicada em fins de 1977, essa obra – que conta a história de Macabéa, uma nordestina que, “sem saber como nem por que”, acaba indo morar no “inacreditável Rio de Janeiro” – é considerada por diversos estudiosos como a “mais explicitamente social” da autora, pois até então os livros clariceanos costumavam ser recorrentemente acusados pela crítica da época de se “alhearem” da realidade, dedicando-se predominantemente a abordagens de caráter psicológico e deixando de lado o contexto político e social. Em A hora da estrela, a temática social passa a ser mais explícita, verificando-se assim uma espécie de “ruptura” na trajetória literária clariceana, interrompida no mesmo ano de publicação da obra, com a morte da autora. Este artigo busca apreender, nas entrelinhas do texto, as marcas que o diálogo do último livro lançado em vida pela escritora, durante o período do autoritarismo brasileiro, realiza com o seu contexto de surgimento. Para tanto, o estudo faz ainda uma aproximação entre o último livro de Clarice Lispector e o cinema de Glauber Rocha.

 


Palavras-chave


História e ficção; Literatura do período autoritário brasileiro; Literatura de Clarice Lispector.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2011v32n1p9

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar