Relação Comportamento em bebês de 0 a 30 meses

Mariângela Monteiro de Melo, Luiz Reynaldo de Figueiredo Walter

Resumo


Com o advento da Odontologia para bebês e a conseqüente instalação, na Universidade Estadual de Londrina, em 1985, da primeira Bebê-Clínica do Brasil, mais de 5000 já foram atendidos. Das interrogações que permaneciam, uma era a conduta destas crianças no início e no transcorrer do tratamento. A visita ao dentista já no primeiro ano de vida, é justificada, principalmente, pela manutenção de sua saúde bucal e também pelo fato de as crianças crescerem já ambientadas com os consultórios dentários, se a procura for para intervenção preventiva. O objetivo deste trabalho é o de observar se de fato a atenção odontológica no primeiro ano de vida é benéfica ou não para o desenvolvimento da criança em relação ao seu comportamento, e para isso utilizamos a Escala de Wright Foram selecionados aleatoriamente 300 bebês que entraram no programa no período de dezembro/90 a junho/93.Os dados foram coletados das fichas, onde as condutas comportamentais apresentadas pelas crianças, na fase inicial, intermediária e na última consulta ocorrida na clínica, estavam assinaladas, Ao final da observação, 80,6% das fichas pesquisadas apresentavam conduta positiva ou satisfatória ( C ou D), enquanto que no início do tratamento apenas 29% apresentavam-se com esta conduta.



Palavras-chave


Comportamento.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.1997v18n1p43

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367