O processo de socialização nos Kaingáng

Magali Cecili Surjus Pereira

Resumo


A socialização de crianças pertencentes ao grupo indígena Kaingáng foi investigada buscando-se identificar variáveis do processo psicossocial. Complexas relações de aculturação a que estiveram e estão submetidos os Kaingáng do Posto Indígena Apucaraninha traduzem as condições nas quais se inscreve o desenvolvimento dessas crianças. Participaram dessa pesquisa em torna de 50 pessoas entre adultos e crianças. Os dados elaborados foram extraídos de entrevistas, observações e consulta a documentos. Através desses foi possível explicitar diferentes aspectos das atividades desenvolvidas por esse grupo. Evidenciou-se um processo onde gradativamente a criança torna-se membro do grupo Kaingáng sem anonimato e sem rupturas. A vida dos meninos e das meninas Kaingáng se inscreve em trajetórias psicossociais pré-definidas que restringem o desenvolvimento desses. Ao lado disso, faz-se uma reflexão sobre a escola em consonância com uma proposta política de educação específica para as escolas indígenas associada a. um projeto educacional que leve em conta a formação de indivíduos capazes de determinarem sua vida e a de seu grupo. A tese educacional de George H. Mead é destacada na medida que postula a relação das brincadeiras e dos jogos com a educação ressaltando o papel dessas atividades como condição geradora do desenvolvimento psicológico dos indivíduos.



Palavras-chave


Socialização; Desenvolvimento Social; Crianças Indígenas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.1996v17n2p170

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367