Desnutrição e comportamento: um ensaio sobre o modelo de isolamento funcional

Ari Bassi do Nascimento

Resumo


A avaliação da citologia da desnutrição calórico-protéica tem mostrado que ela é multifatorial, tendo como base a pobreza e as deficiências nutricionais corno fatores mais graves. A partir desta definição, a discussão a seguir procurou enfocar o fenômeno da desnutrição dentro de aspectos sociais c sob o ponto de vista dos modelos teóricos. Há vários modelos que tentam dar conta da desnutrição, quer seja sob o aspecto da causação, ou da experimentação ou ainda da profilaxia desta condição. Todavia, o modulo do isolamento funcional parece ser o mais polemico dentre elos quando considera que os déficits de ajustamento apresentados por um organismo desnutrido não são conseqüências da desnutrição, mas sim conseqüências da maneira que o animal enfrenta a situação ambiental frente ao prejuízo nutricional. O modelo não considera os efeitos da desnutrição como respostas patológicas, mas como um conjunto de respostas fisiológicas e comportamentais bem organizados que otimiza as chances do organismo sobrevivei. Entretanto, o modelo apresenta deficiências conceituais na medida em que induz facilmente no leitor a noção de propósito. Esta noção surge no momento cm que o modelo prevê que este conjunto de resposta passa a ser uma "estratégia" que garante a sobrevivência do organismo. Além desta dificuldade, várias outras questões de natureza tautológica relacionadas ao modelo são discutidas e uma nova forma de isolamento funcional é proposta no final do trabalho. Durante o desenvolvimento desta ideia o leitor poderá notar que a variável experimental manipulada será a temperatura e não a restrição de dietas.



Palavras-chave


Desnutrição; Modelos de desnutrição; Isolamento.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.1994v15n2p188

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367